Outro dia, falando sobre a desconstrução de uma crença minha para uma pessoa, ela me deu o feedback me dizendo que eu elaborava demais sobre aquelas questões e, dessa forma, da próxima vez que eu passasse por aquela situação, iria já começar a me sentir mal, porque eu estaria criando crenças negativas ao pensar sobre aquilo. Para essa pessoa, eu estava “pensando negativo” por refletir e dividir com ela sobre algo que me era desconfortável.

Expliquei para essa pessoa eu elaboro bastante, sim, mas não uso meu precioso tempo pensando nas coisas para criar crenças negativas. Isso seria um tanto quanto improdutivo. Na verdade, jogar luz nas minhas crenças negativas é fazer um trabalho de crença. Esse trabalho serve, ao menos na minha vida e de algumas pessoas que eu conheço, para ter mais consciência das crenças negativas que nos limitam e substituí-las por crenças produtivas e construtivas.

O que é esse trabalho?

Esse é um trabalho de autoconhecimento. Ninguém pode fazer esse trabalho no seu lugar. Todas as curas que são decorrentes desse trabalho são vividas exclusivamente pelas pessoas curadas. Claro que todo o Mundo é beneficiado pela cura de uma irmã ou irmão, mas isso depende da iniciativa de cada indivíduo. Por essa razão, a técnica ou não técnica utilizada para fazer esse trabalho é totalmente indiferente, tanto faz qual é a técnica, o importante é sempre estar descobrindo nossos próprios limites e supera-los de acordo com nosso caminho.

Por onde começar?

O mais importante é saber que nossas escolhas moldam nossa realidade e elas podem ser feitas estando nós conscientes ou inconscientes delas. De acordo com essa linha de pensamento, a realidade manifestada pra cada um é diferente de acordo com suas respectivas crenças. Quem assistiu ao filme O Segredo lembra do gênio da lâmpada: “seu desejo é uma ordem”. As crenças são auto-profetizadas, pois atraímos circunstâncias para provar que estamos certos (para nós mesmos ou não). Se acreditamos que não podemos ser felizes, mesmo no inconsciente, essa realidade é manifestada.

O primeiro passo, na minha opinião baseado no que funciona pra mim, é analisar se nossa missão de vida está de acordo com a vida que levamos. Nem sempre estamos perto de nosso ideal, mas sabemos quando estamos no caminho ou não. Para ser prática, sugiro que analise alguns âmbitos da sua vida e verifique quais necessidades você precisa sanar mais urgentemente.

Sugiro que um trabalho de crenças se inicie a partir de uma questão que bloqueia a prosperidade da pessoa. Não apenas no dinheiro, mas em todos os aspectos da vida dela. Dessa forma, pode-se descobrir as armadilhas que ela mesmo se colocou durante os anos. Dependendo de quanto tempo ela não busca expandir sua zona de(s) conforto, mais crenças negativas ela pode ter. Quanto mais aberta a mudanças e adaptações a pessoa for, mais fácil é fazer um trabalho de crenças.

Trabalhar com crenças, pra mim, é notar quais padrões seguem acontecendo, mesmo que as situações mudem. Quais são esses padrões negativos que impedem minha paz e felicidade? É se fazer perguntas para descobrir o propósito dessa crença.

Toda crença existe por uma razão

Todas as crenças existem por uma razão. As crenças existem para nos proteger ou sendo útil por qualquer outro motivo. Às vezes, podemos ter uma crença limitante para que os nossos pais sintam orgulho de nós. Pode acontecer. E essas crenças, a medida que se auto-profetizam, se tornam mais fortes e enraizadas. No entanto, o tempo passa, as pessoas mudam, as circunstâncias pedem mudanças de crenças. E é quando, questionando minha crença de forma consciente, percebo se ela tem ou não uma boa razão para estar aqui. Se não tem mais razão, eu faço o trabalho para que ela vá, para que ela seja resolvida e cancelada em todos os níveis, tempo e espaço e substituída por crenças positivas e amor incondicional.

Por que esse trabalho é tão eficiente?

Em algum momento, perguntas como “porque eu me sinto assim?” ou “qual o propósito de eu me sentir assim” podem obter respostas reveladoras de nossos lados sombrios, cheio de medos e angústias. São crenças negativas. Jogando luz nelas, as crenças negativas recebem uma resposta positiva, muitas vezes perdem seus propósitos e a crença é alterada para algo mais libertador, criando uma nova realidade para a pessoa. Pra mim, é uma cura.

Como eu faço esse trabalho?

Para começar, é fácil fazer um trabalho de limpeza das crenças que você já é consciente delas. Refletir sobre seu estilo de vida (está onde gostaria de estar?), se fazer perguntas, meditar e ler sobre autoconhecimento também. As sombras que estão no nível consciente, podemos escolher lidar de formas mais positivas.

A dificuldade é de encontrar as crenças negativas que estão inconscientes. Essa dificuldade deu origem a algumas técnicas como teste muscular da cinesiologia, pela intuição ou pelo campo de energia. Isso sem falar da psicologia, que tem inúmeras maneiras de trabalhar o inconsciente – mas sobre isso eu sei quase nada, não posso ajudar muito.

Pode ser usada técnicas como o Thetahealing, que trabalha com o teste muscular e intuição. É a técnica que eu ando praticando, mas existem muitas outras e também pode ser que a pessoa não use técnica alguma, apenas saiba que tem essas crenças e está dispostas a mudar. Algumas pessoas se tornam conscientes das crenças que precisam ser trabalhadas de acordo com cada desafio da vida, basta ficar atento e querer.

 

Tudo isso, claro, só funciona se a gente acreditar – vale dizer!