Às vezes comento com uma pessoa: “Fulana, você pode analisar suas crenças sobre tal assunto para tentar desbloquear sua vida” e recebo a resposta: “mas eu não tenho crenças, simplesmente minha vida é assim mesmo, bloqueada”.

Doce contradição. Como pode umas pessoa ter “nenhuma crença” e dizer em seguida “minha vida é assim mesmo, bloqueada”. Ela mesma fala da crença dela, porque – afinal de contas – nenhuma verdade é absoluta, então ela está escolhendo, de forma consciente ou não, acreditar que a vida dela não tem jeito.

Se for uma escolha inconsciente, por inércia, essa afirmação “minha vida é bloqueada” vai se estabelecer no subconsciente e, finalmente, se tornará uma crença, uma convicção muito forte que guiará todas as atitudes, escolhas, passos, relacionamentos e sentimentos do indivíduo. Se essa crença já está estabelecida ou não, o importante é não alimentar. Apenas escolha, de forma consciente, pensar outras coisas, meditar após intencionar que seu subconsciente se abra para uma resposta do que bloqueia sua vida.

Algumas pessoas acham que crenças se limitam a religião, ou fé. Outras pessoas interpretam crenças como opiniões ou convicções, mas muitas vezes são cabeça aberta e acham que não têm opinião, porque gostam de permanecer abertas. Porém, todo mundo tem crença: limitantes e/ou possibilitadora, porque não é algo que podemos escolher simplesmente não ter – talvez você acredite que seja merecedora de sofrimento, ou de felicidade.

Vim compartilhar uma forma simples de entender do que se tratam crenças, que me fez muito sentido: você possui, assim como eu, conceitos formados que guiam sua compreensão sobre o mundo. Esses conceitos foram formados por diferentes estímulos que recebemos diariamente e que são inseridos pelas tradicionais instituições: família, comunidade, mídia, igreja, escola, trabalho, etc. São como valores, mas por serem inconscientes, podemos mudar, se quisermos, se isso for pelo bem maior.

Crenças são conceitos, como diz no título desse texto. É tão simples que parece pegadinha, né?! O segredo está em observar as palavras:

“Crença” significa: ação ou resultado de crer (com ou sem razões, motivos, confirmação objetiva, etc.). Estado mental de quem crê. Aquilo que uma pessoa ou grupo considera verdadeiro.

“Conceito” significa: o que se entende/concebe/compreende sobre algo ou alguém no pensamento, na ideia; modo de pensar sobre algo; opinião manifesta sobre algo ou alguém.

Por algum razão em total harmonia com o Universo, nossa mente se desenvolveu nessa linha da racionalidade, e temos essa habilidade de julgar muito rapidamente as situações que acontecem em nossa realidade manifestada. O mecanismo da mente atua baseado no que acreditamos.

Pense: quais são os seus conceitos sobre o aspecto da sua vida que está bloqueada? Quais mentiras te contaram ou você se contou  para si? Questione seus conceitos sempre que você quiser se livrar de um problema.

Temos conceitos sobre relacionamentos, saúde, dinheiro, felicidade, prosperidade, sociedade, educação, política e outros aspectos da vida. Podem ser conceitos bons ou rins, mas não são verdades absolutas, porque dependendo da história do indivíduo esses conceitos mudam – a chave é: você tem um conceito formado sobre um assunto, mas ele está te SERVINDO? Esse conceito é seu, realmente, ou foi passado pra você? Há uma razão para ainda ter alguma crença que bloqueia sua vida? Você gostaria de ir além do seu limite? Não existe resposta certa.

Recebemos tantos estímulos que a mente precisa deixar algumas coisas rodando no automático, para prestar atenção apenas em coisas urgentes como sobrevivência (atravessar a rua, dirigir com segurança, por exemplo).

Você pode estar mais ou menos consciente de que há informações rodando no seu subconsciente e, muitas delas, podem te acompanhar desde antes de você nascer. Você sabendo disso ou não, isso está acontecendo. Tomamos nossas atitudes a partir do que julgamos certo. Nosso julgamento, porém, se não questionamos, não é nosso, mas do que nos foram ensinados. Apenas tornar consciência disso, já é um grande passo.

Nossos conceitos podem ajudar a conquistar nossos objetivos ou podem atrapalhar.

Para saber qual é seu caso, basta observar: se você está feliz e se sentindo pleno, gozando de uma vida saudável e sente gratidão verdadeira, provavelmente os “programas” instalados no seu subconsciente estão em harmonia com os desejos do seu coração e provavelmente tem programas libertadores na máquina. O problema se dá, apenas, se não estiver tão bem, precisando mudar, com doenças ou desequilíbrio emocional. Aí, você pode escolher procurar a raiz pra cura (fazer nada e só reclamar, não adianta).

Dessa forma, o recomendado é procurar rever os conceitos que você tem sobre determinados assuntos que estão em pauta na sua vida. Procure analisar cada aspecto da sua vida de forma objetiva, procurando rever conceitos nocivos para ser sua melhor versão de você mesmo.

Estando com conceitos sobre a realidade que nos limitam ou nos aproximam de nossos sonhos, não faz diferença, somos guiados por eles. A gente tem a escolha de mudar nossos conceitos sobre tudo que quisermos, essa é a verdadeira liberdade. Se não conseguimos enxergar alternativas para nossos problemas, talvez seja a hora de forçar o limite um pouco, sair da zona de conforto.

No entanto, como saber qual a sua verdadeira escolha e não uma escolha imposta por outra pessoa ou pela sociedade?

Auto-conhecimento.

Apenas com auto-conhecimento você poderá analisar quais conceitos sobre a vida, crenças, você quer mudar. É um trabalho árduo, só você pode fazer isso por você, mas existem muitas pessoas e material que podem ajudar nesse processo.

Quer saber mais? Não concorda com meus argumentos?
Comenta aqui!