Eu agradeço aos homens que respeitam as mulheres de forma integral e nos termos dela – agradeço aos que entendem que um “oi princesa” pode ser elogio para ele, mas ofensa para ela.

Agradeço aos homens que procuram compreender a lógica da mulher e os que a leva em consideração, mesmo achando que sua própria lógica é a mais coerente.

Eu agradeço aos homens que, ao se deparar com uma mulher que lhes agrada, mantém muito respeito ao aborda-la ou, agradeço ainda mais, os que nem incomodam a mulher desconhecida que está apenas de passagem no caminho.

Eu agradeço aos homens que entendem que não deve ser uma ofensa ter seu machismo apontado por uma feminista e não procura desmerecer o ponto de vista dela apenas porque coloca ele numa posição de opressor. Tudo bem ter sido criado como opressor, agradeço os que escolheram seguir o caminho da compreensão acolhimento e compaixão.

Eu agradeço aos homens que escutam o que a mulher tem a dizer sobre seus sentimentos e que não diminuem esse sentir, os que têm empatia e compaixão pra acolher essa mulher.

Eu agradeço aos homens que admitem que podem ser opressores sem querer, apenas ao reproduzir comportamentos que foram ensinados e naturalizados.

Eu agradeço a todos os homens que me veem como uma artista com grande potencial e visão, mesmo que não compreenda ou não concorde com minha opinião e mesmo que minha arte não lhe agrade.

Agradeço aos que me vem primeiramente como uma alma, um ser humano, e apenas depois consideram a possibilidade de me ter como mulher e que me respeitam muito ao tentar me conquistar.

Agradeço aos homens que ao invés de rir de uma piada machista, procura desconstruir e conscientizar os outos de que a piada só é engraçada quando todo mundo ri.

Agradeço aos homens que procuram se informar sobre o movimento feminista e os que entendem que existem várias vertentes do feminismo e que ele pode ser realmente transformador.

Agradeço aos homens que buscam compreender onde estão errando e se desconstruir seu machismo ao invés de tentar convencer as feministas que elas estão “todas erradas”.

Agradeço aos homens que sabem que a hostilidade que algumas feministas lutam é uma resposta violenta a uma sociedade que as ferem e as violentam o tempo todo e que, ao invés de focar em combater a “forma errada” de as feministas lutarem, agradeço os que acolhem essas mulheres mais violentas e procuram compreendê-las para que possam ajudar na cura delas.

Agradeço aos homens que, ao se depararem com uma manifestação feminista, não ficam apontando como elas devem lutar e tentam absorver a mensagem, independente da forma que ela é transmitida.

Eu agradeço aos que sabem que, mesmo sendo respeitoso a maior parte do tempo, sabe que pode ser opressor de forma sutil e inconsciente e, por isso, ficam atentos e reconhecem sua função de “melhorar”, mesmo se já se julgar “bom”.