Me lembro do dia que eu descobri que estava grávida. Foi dia 26 de agosto de 2017.

Naquela semana, peguei uma doação de roupa de bebê em um terreiro de Umbanda que gosto de ir. A roupa era pra uma moça que ia ganhar neném e não tinha nada. Na gira, em consulta, se não me engano, passei com uma criança. A Pombagira estava lá também, me pediu um abraço, me deu um conselho e fui embora.

Eu já tava grávida, apenas não sabia. Soube no sábado, fim de tarde. Falava com as amigas pelo whats:

“Vou fazer o exame de farmácia”

“Deu positivo”

“Estou grávida”

E o medo, cara? Falei com algumas manas que já eram mães e isso me tranquilizou.

Fui pro pronto socorro fazer exame. Mesmo sendo de urina, era mais certeza. Positivo.

Já no caminho liguei pro meu irmão gêmeo e minha cunhada: põe no viva-voz aí, Rafa, quero contar uma coisa para vocês dois juntos: estou grávida.

Meu gato, Viky, tinha sumido. De manhã ele já não tava mais em casa, fiquei preocupada com ele. Mas à tarde, quando me veio a consciência de que talvez eu estivesse mesmo grávida, acabei esquecendo dele. Quando cheguei do PS, com a certeza que Ângelo estava comigo, fui falando com ele desde a rua: “será que o Viky voltou? Será que ele tá em casa de novo?”. Não estava. Sentei no sofá, respirei. Ele começou a miar na porta de casa, pra entrar. Sapequinha, saiu pra dar um role e voltou pela porta da frente.

Dormimos agora com a novidade de que tinha um neném se formando na barriga.
No domingo, fiz um grupo com meus irmãos e cunhados. “Não vamos contar pra mamãe e pro papai ainda, quero contar ao vivo”.

Segunda feira à noite fui à praia com meus amigos, não levei o celular. Quando chego em casa: mais de 10 chamadas da minha mãe, e uma mensagem:

“Gabi, Vitória ou ????”

Quem contou pra ela????
Vitória era um nome que, algumas semanas antes, eu disse a ela porque disse que estava realizando minhas coisas, agradeci a ela e disse “mãe, se eu tiver uma filha menina vamos chamar de Vitória?”

Liguei pra ela e quis saber quem vazou a notícia. Fiquei sabendo que ela e meu pai souberam e ficaram MTO felizes.

Depois fiquei sabendo que meu pai saiu pulando dizendo “vou ser vovô, vou ser vovô”. Ele faz isso até hoje. Ele ama minha barriga.

E as semanas seguiram. Os enjoos começaram. Perdi 3kg no começo da gravidez e me sentia extremamente mal fisicamente. Enjoava muito. Emocionalmente, estava oscilando bastante. Decidi voltar morar em São Paulo, por conta de estrutura.

Feriado do dia 02 de novembro fui pra um retiro no interior. Paz. Perdão. Hare Krishna!

Dia 12 de novembro, em pleno Sarau das Minas, em Cubatão (onde fiz uma apresentação), recebi um login e senha pra saber se era Ana Luz ou Ângelo, que eu esperava.

XY. Menino. Ângelo. Todos comemoram mais uma vez a novidade.

As semanas foram passando. O ano acabando. 2017 foi um ano de realização de projetos artísticos meus. E militância. 25 de dezembro, natal de 2017, sinto o Ângelo mexer pela primeira vez. Festa de ano novo reunidos com amigos em casa. Virada de ano tranquila em casa com uma grande amiga (irmã) e sua filha.

2018 chegou. Minha barriga começou a crescer. Semanas se passavam. 6 meses e me mudei definitivamente pra São Paulo. Ainda me adaptando.

Carnaval. Dores abdominais. Pedra na vesícula. Susto. E se ele nascer agora?

Equipe médica preparadíssima. Hospital com estrutura. Tudo certo comigo e com o bebê. Ele ainda tinha 2 meses e meio pra ficar no forninho (barriga da mamãe).

Março fez 7 meses. Fiz 30 anos. Não sou mais uma menininha. Tenho 30 anos e um bebê na barriga, que logo vai nascer.

11 de Março: Chá de bebê em São Paulo. Amigas e familiares, QUANTO AMOR. Gratidão a cada presença.

Roupinhas. Berço chega, carrinho chega, banheira chega. Sling. Só queria o essencial, será que estou apenas com o essencial?

Curso de gestante. Abril chega. Já são
8 Meses. Em cerca de 1 mês ele chega.

Dia 7 de abril chega. Ontem.
Chá-rau em Santos. Poetizas, artesãs, curadoras holísticas presentes. MAIS AMOR PRESENTE.

Um breve resumo de como tem sido os últimos meses com meu Ângelo na barriga.

amor! amor! amor!

Gratidão!