Purifica

Purifica

Purifica: entra em harmonia com tudo – de dentro e de fora. Tudo é parte da Natureza e a Natureza é a manifestação do Divino. Purifica: transforme a realidade manifestada na pureza das crianças e dos animais. Transforma os desafios em dádivas em conexão com o Todo. Purifica com o mar, purifica com a sagrada medicina. Purifica os chakras, para seguir errando e purificando, num ciclo de cura e expansão da consciência. Purifica entrando em harmonia com toda a...
Nave de Odessa

Nave de Odessa

Todos seres de luz fazendo seu trabalho, Juntos tornam-se um, como cartas do baralho Escutaram o chamado e aos poucos foram recrutados Todos na mesma estação para serem curados. Não dá pra julgar a brisa de ninguém Porque cada um é um universo muito além Há anos dizia que não iria, Que essa onda eu não aguentaria. Mas eu já estava preparada, Resolvi, então, encarar essa jornada. Odessa, começou! O brilho dos olhos abraçou. A abertura de caminhos Vem regada de pulinhos. Como uma boa buscadora, Dessa grande celebração é merecedora. Odessa – de odisséia e quer dizer grande jornada, Mais uma iniciação em sua caminhada. Odessa – de verde e laranja sua aura emana Mais uma iniciação em sua experiência humana. Minha sensação era de estar em casa Embora eu tenha a certeza que aquele sítio criou asa. Em minha defesa já aviso de ante mão Lá dentro é cada um em seu mundo de ilusão. Meu mundo foi leve, do tipo que quis meditar no meio da pista Pra me equalizar com a galera toda que também se joga e se arrisca Lá na nave entrei na fé, Sabia que haveria energia para ficar de pé. Fui com dois duendes de confiança, Estava certa que só coisa boa ficaria na lembrança. Custei entender que ali era um campo diferente, Mas tudo estava programado, as energias se modificaram de repente De noite os duendes apresentavam a nave para os novatos, Mas também precisariam limpar, lidar com os fatos. Saíam de suas cascas ao amanhecer Percebi que ali tudo que eu quisesse eu poderia ser. Após a limpeza, aumentar...
Crenças são conceitos: quais os seus?

Crenças são conceitos: quais os seus?

Às vezes comento com uma pessoa: “Fulana, você pode analisar suas crenças sobre tal assunto para tentar desbloquear sua vida” e recebo a resposta: “mas eu não tenho crenças, simplesmente minha vida é assim mesmo, bloqueada”. Doce contradição. Como pode umas pessoa ter “nenhuma crença” e dizer em seguida “minha vida é assim mesmo, bloqueada”. Ela mesma fala da crença dela, porque – afinal de contas – nenhuma verdade é absoluta, então ela está escolhendo, de forma consciente ou não, acreditar que a vida dela não tem jeito. Se for uma escolha inconsciente, por inércia, essa afirmação “minha vida é bloqueada” vai se estabelecer no subconsciente e, finalmente, se tornará uma crença, uma convicção muito forte que guiará todas as atitudes, escolhas, passos, relacionamentos e sentimentos do indivíduo. Se essa crença já está estabelecida ou não, o importante é não alimentar. Apenas escolha, de forma consciente, pensar outras coisas, meditar após intencionar que seu subconsciente se abra para uma resposta do que bloqueia sua vida. Algumas pessoas acham que crenças se limitam a religião, ou fé. Outras pessoas interpretam crenças como opiniões ou convicções, mas muitas vezes são cabeça aberta e acham que não têm opinião, porque gostam de permanecer abertas. Porém, todo mundo tem crença: limitantes e/ou possibilitadora, porque não é algo que podemos escolher simplesmente não ter – talvez você acredite que seja merecedora de sofrimento, ou de felicidade. Vim compartilhar uma forma simples de entender do que se tratam crenças, que me fez muito sentido: você possui, assim como eu, conceitos formados que guiam sua compreensão sobre o mundo. Esses conceitos foram formados por diferentes estímulos...
Pergunte a você criança

Pergunte a você criança

A cura vem de abraçar a sua criança e perguntar porque você tem os problemas que tem hoje. Parece cliché, exagero, mas não é. Funciona, é só tentar. Só que dói, é triste voltar ao passado e reviver aquele sofrimento, mas é necessário. Se não revivemos e resolvemos essas questões, elas ficam na sombra. Experimenta entrar em uma sala escura. Mesmo que você conheça, se há bagunça espalhada e tudo fora de ordem, a chance de você tropeçar é bem grande. Se tiver lixo e sujeira espalhados, então, você ainda vai sentir o cheiro e não vai conseguir limpar. Mas experimenta acender a luz para colocar em ordem e fazer uma limpeza. Sucesso. Com nosso inconsciente, é a mesma coisa. Os problemas não se vão apenas porque estão no escuro. Veja um exemplo pessoal de uma lembrança que tenho. Os fatos podem não ser exatamente te esses, mas essa foi a lembrança. Quando eu tinha uns nove anos, eu gostava de um menino na escola que também gostava de mim. Ele desapareceu, de uma hora para outra. Disseram que ele havia ido para outra cidade. No ano seguinte, nos reencontramos em outro colégio. Além de minha cabeça ter ficado confusa, por terem mentido para mim, não confiava mais que ele iria ficar por muito tempo. Continuamos amigos, mas algo ficou marcado. Meus relacionamentos nos últimos anos foram intensos porque, provavelmente, eu agarrava e não deixava o cara ir embora. Como conscientemente eu não queria ser chiclete, eu deixava ir os que eu notava que eu estava sufocando. Porém, por ressonância, atraí quem curtia intensidade também. Não que seja errado, não...
Minha História, meu Caminho

Minha História, meu Caminho

Desde que saí da escola e vim para o “mundão” tenho buscado e me preparado para cumprir minha missão de vida. Escrever e compartilhar meus processos é muito gratificante, e ter descoberto meu lado curadora, me faz cada vez mais ser feliz. Conheça minha História. Sempre quis salvar o mundo. Essa era minha angústia da vida, porque eu via as coisas feias acontecendo, e não podia fazer nada. Nunca achei graça em injustiça e competição, nunca quis participar disso, me sentia deslocada. Eu até fiz, pensando em retrocesso, bastante inimizade por isso. Eu queria ser autêntica, sabe? Como todo ser humano, claro, inserida na matrix, caí e caio nas “tentações mundanas” – sem moralismo, apenas forma de falar. Ou seja, tenho apego, julgo, tenho raiva e me desconecta com a paz – sou um ser humano dual. Hoje sou emocionalmente estável, mas nem sempre foi assim. Quando mais nova, canalizava meus sentimentos escrevendo, desde que me lembro, em agendas e cadernos. Aos 17 anos, comecei a publicar meus textos online – quase todos estão nesse blog. Aliás, é uma ótima forma de acompanhar meu próprio caminho. Vivia, como diz uma amiga da época do colégio, num mundinho meu. No Gabitopia. Meu mundo era cor de rosa e tocava Sandy e Junior. Mas, de alguma forma, naquela época, eu ainda queria me encaixar nas coisas normais. Algo que parecia normal para as pessoas, era desconfortável pra mim e eu não sabia porquê. Meu “despertar” Foi com 20 anos, em 2008, que comecei a perceber a vida de outra forma – uma forma que exige certa atenção, pois não é o...
Feminismo no paradigma do amor, porra

Feminismo no paradigma do amor, porra

Com meu histórico de trabalhos sociais, fico bastante inquieta quando, nas comunidades espirituais, pouca gente fala sobre questões sociais, como se fossem tabu. A princípio, compreendo que a espiritualidade, por ser algo individual, tem uma abordagem para evolução pessoal. Porém, a sociedade é feita de grupos de pessoas e, por isso, proponho aqui um debate sobre questões sociais e políticas, no paradigma do amor. Dia 8 de março é dia da luta pela igualdade e liberdade da mulher – e eu não poderia deixar de falar sobre isso. Recebi muitas mensagens de “feliz dia da mulher” em grupos (graças as Deusas, nenhuma marcação de homens x) e, mesmo problematizando nas redes sociais, procurei agir mais pelo espírito do que pelo ego e procurei lições em quaisquer “provocações” que posso ter atraído para meu dia, com gratidão. Então meditei sobre tudo que ando passando e deu nisso aqui, um manifesto sobre a importância da problematização de questões sociais para mudança, mesmo na comunidade espiritual. Eu sou mulher e hoje, dia oito de março, venho pedir, “por gentileza” (se não ☆☆sou radical☆☆), alguns de meus direitos. Eu só quero andar na rua sozinha sem que me assediem. Quero ter certeza que minhas manas vão voltar seguras para casa mesmo de shortinho (porque aqui tá quente pra porra) e que minhas sobrinhas não sejam objetificadas na rua só por existirem. Quero que a moça da loja não seja espancada pelo marido e que minha amiga engenheira seja reconhecida pela genialidade dela. E, pra fechar a lista de hoje, quero muito que a menina da favela possa fazer um aborto seguro se ela...
Página 1 de 212