Nota de Rodapé

Nota de Rodapé

Eu só quero paz irmãos, sobrinhos e pais Confesso que penso o tempo todo “Gabi, corra!”, Mas família é importante, porra! Eu só vejo um país em guerra, Injustiça, miséria e intolerância com quem erra. É a Cultura do circo e do pão, tudo na Veja é manipulação. Escolhi acreditar e pensar diferente, Hoje já me sinto em paz genuinamente Não me sinto uma vítima, e minha escolha é sábia e legítima, assumi o controle da minha existência, eu não tenho culpa se alguém aí Optou pela desistência. (melhorem, apenas) É por essas que me cortam, não é? Por eu dizer duras notas de rodapé. Eu tenho que ouvir, calada, coisas absurdas Por que só eu aqui preciso mesmo me fazer de surda? Transcendi as notas, já não me importo em ser vermelha. Afinal, agora ostento ser a louca doce ovelha Pra me entender, Não vejo em vocês paciência, ficam só me tirando de pseudociência. Não botam fé na filosofia que resolvi acreditar Mas fui determinada e consegui morar em frente ao mar. Nunca enfiei goela abaixo nada para ninguém, Só que os mais espertos já se aproveitam de uma parte do que sei. (gratidão por confiarem em mim!) Desequilíbrio, depressão pouca fé e muita reclamação. Eu era muito assim, nervosa, Já não sou mais alguém ansiosa. Tudo porque escolhi ver a vida com outro olhar, Fui atrás de quem sou, e em Santos finalmente encontre um lar. Minha visão é mais do que ingenuidade, É algo novo pra vocês, se chama maturidade. Há anos escolho o autoconhecimento Fui forçada no começo, mas ganhei discernimento Vivência, Experiência. Resiliência que a...
O mundo anda mesmo chato…

O mundo anda mesmo chato…

Às vezes me pego pensando como o mundo anda mesmo chato. As pessoas preferem olhar o mundo como um lugar feio e cruel, cada vez pior, enquanto poderiam olhar para o mundo como um lugar de evolução e cheio de beleza, amor, solidariedade. O mundo tá essa chatice porque as pessoas não aceitam as coisas como são, querem mudanças para ontem – porém ignoram todas as que já existiram, não percebem como já evoluímos, mudamos e estamos corrigindo nossas falhas aos poucos, a medida que cada consciência desperta. O mundo tá chato porque nós pegamos essa falta de aceitação e temos atitudes não produtivas: apenas reclamamos, ao invés de impactar positivamente o máximo de pessoas possível. O mundo está chato porque as pessoas estão ainda movidas pelo ego – medo, raiva, inveja, ciúme, competição… As pessoas estão tensas, elas julgam o tempo todo. O mundo está chato porque soluções como perdão, paciência, não-julgamento e outras atitudes nobres são vistas como impossível, como fantasiosas. O mundo está chato porque ainda não sabem entender os sinais do corpo, do subconsciente e ficam culpando os outros pelos seus problemas pessoais. As pessoas fazem o mundo mais chato quando preferem compartilhar mais links sobre a crise do que links sobre como sair dela, como divulgar seu negócio na internet, como se motivar para sair da escassez. Ah, falando nisso: não podemos nos motivar. O mundo está tão chato que as pessoas felizes, gratas e animadas são tachadas de alienadas e frias, além de, claro, irritar ainda mais quem já está em estado de irritabilidade crônica. Claro que não sou ninguém para dizer que essa pessoa está...
Crenças são conceitos: quais os seus?

Crenças são conceitos: quais os seus?

Às vezes comento com uma pessoa: “Fulana, você pode analisar suas crenças sobre tal assunto para tentar desbloquear sua vida” e recebo a resposta: “mas eu não tenho crenças, simplesmente minha vida é assim mesmo, bloqueada”. Doce contradição. Como pode umas pessoa ter “nenhuma crença” e dizer em seguida “minha vida é assim mesmo, bloqueada”. Ela mesma fala da crença dela, porque – afinal de contas – nenhuma verdade é absoluta, então ela está escolhendo, de forma consciente ou não, acreditar que a vida dela não tem jeito. Se for uma escolha inconsciente, por inércia, essa afirmação “minha vida é bloqueada” vai se estabelecer no subconsciente e, finalmente, se tornará uma crença, uma convicção muito forte que guiará todas as atitudes, escolhas, passos, relacionamentos e sentimentos do indivíduo. Se essa crença já está estabelecida ou não, o importante é não alimentar. Apenas escolha, de forma consciente, pensar outras coisas, meditar após intencionar que seu subconsciente se abra para uma resposta do que bloqueia sua vida. Algumas pessoas acham que crenças se limitam a religião, ou fé. Outras pessoas interpretam crenças como opiniões ou convicções, mas muitas vezes são cabeça aberta e acham que não têm opinião, porque gostam de permanecer abertas. Porém, todo mundo tem crença: limitantes e/ou possibilitadora, porque não é algo que podemos escolher simplesmente não ter – talvez você acredite que seja merecedora de sofrimento, ou de felicidade. Vim compartilhar uma forma simples de entender do que se tratam crenças, que me fez muito sentido: você possui, assim como eu, conceitos formados que guiam sua compreensão sobre o mundo. Esses conceitos foram formados por diferentes estímulos...
Sobre meditar

Sobre meditar

Não é a primeira vez que alguém fala comigo sobre sua ansiedade e mente inquieta perguntando se eu “já fui” assim. Não, não só já fui assim como SOU ASSIM ainda. Todo mundo que não é iluminado tem seus momentos. Por mais equilibrado que seja, quem nunca sentiu uma ansiedadezinha?! Há alguns anos estou mergulhando em mim mesma e descobrindo as profundezas do meu ser. Entre as práticas, a meditação é disparada a mais citada, entre meus companheiros de jornada, como uma forma de enfrentar nossas sombras e desbloquear nossas energias para conseguirmos ser nossa melhor versão. E se você é ansioso/a, tem pensamentos demais e acha que não consegue meditar, aconselho começar. Não meditamos depois de resolver nossos problemas, de aquietar a mente, como se fosse: “me aquieto, logo medito”. Acredito que seja mais para “medito, logo me aquieto“. Não espera resolver seus problemas pra meditar, ou ficar menos ansioso. Quer meditar? Não dá essa desculpa – se você é ansioso e não consegue acalmar a mente, meditação é pra você. A não ser que você realmente não queira meditar, que esse não seja seu caminho. Não sei sobre os outros, mas sobre mim: não atingi a iluminação mesmo com práticas espirituais. Talvez nem alcance, não me importo, na real – só quero ser minha melhor versão e tenho paciência comigo, com meus erros, com meu caminho. Como Humana, todas as emoções ainda estão aqui. Após trabalhar muitos aspectos meus que antes eu não conhecia, consigo que algumas emoções não se transformem em sentimentos (deixo fluir) ou transmuto em algo bom. Trabalho meus chakras diariamente, permito que meu corpo esteja...
Pergunte a você criança

Pergunte a você criança

A cura vem de abraçar a sua criança e perguntar porque você tem os problemas que tem hoje. Parece cliché, exagero, mas não é. Funciona, é só tentar. Só que dói, é triste voltar ao passado e reviver aquele sofrimento, mas é necessário. Se não revivemos e resolvemos essas questões, elas ficam na sombra. Experimenta entrar em uma sala escura. Mesmo que você conheça, se há bagunça espalhada e tudo fora de ordem, a chance de você tropeçar é bem grande. Se tiver lixo e sujeira espalhados, então, você ainda vai sentir o cheiro e não vai conseguir limpar. Mas experimenta acender a luz para colocar em ordem e fazer uma limpeza. Sucesso. Com nosso inconsciente, é a mesma coisa. Os problemas não se vão apenas porque estão no escuro. Veja um exemplo pessoal de uma lembrança que tenho. Os fatos podem não ser exatamente te esses, mas essa foi a lembrança. Quando eu tinha uns nove anos, eu gostava de um menino na escola que também gostava de mim. Ele desapareceu, de uma hora para outra. Disseram que ele havia ido para outra cidade. No ano seguinte, nos reencontramos em outro colégio. Além de minha cabeça ter ficado confusa, por terem mentido para mim, não confiava mais que ele iria ficar por muito tempo. Continuamos amigos, mas algo ficou marcado. Meus relacionamentos nos últimos anos foram intensos porque, provavelmente, eu agarrava e não deixava o cara ir embora. Como conscientemente eu não queria ser chiclete, eu deixava ir os que eu notava que eu estava sufocando. Porém, por ressonância, atraí quem curtia intensidade também. Não que seja errado, não...
Sobre amor incondiconal

Sobre amor incondiconal

Começo com minha conclusão: não é porque você não reconhece o amor incondicional que ele não exista em você ou que ele não exista por si só. No sábado passado falei com minha família sobre amor incondicional. Não sei se me fiz entender, pois alguém me disse: “você ama, mas se a pessoa te faz alguma coisa, você deixa de amar”. Dois dias depois, vi que naquele mesmo dia uma pessoa fizera um comentário em um texto meu sobre perdão. Concordou que perdoar era importante, mas seu comentário foi para expressar que era exagero dizer sobre “amar incondicionalmente”, dizendo que “amar de forma incondicional” chega a ser deboche com quem sofreu a agressão e que isso era hipocrisia. Além disso, expressou que de hipocrisia estava farta, dando a entender que não gostara do que eu escrevi. Justo, ela está no direito dela e eu, sinceramente, gostei muito do que ela escreveu. Afinal, quanta sincronia: naquele mesmo dia eu falar sobre amor incondiconal com meus familiares e, sem eu saber, algumas horas antes ter recebido esse comentário. Porém, nessas duas situações parece que as pessoas não reconhecem esse amor incondicional. Reconhecem apenas uma afinidade, um amor humano, um carinho. Não digo que não conhecem, apenas não pararam, talvez, para resgatar esse sentimento tão belo dentro de si, por, talvez, nunca terem sido provocados a isso, por nunca terem sentido essa necessidade. Repito e repetirei algumas vezes essa minha visão: não é porque alguém não reconhece esse amor incondiconal, que ele não exista por si ou que ninguém pode sentir. Não tenho filhos, mas pelo que dizem, o amor de uma mãe...
Página 5 de 16« Primeira...34567...10...Última »