Ela

Ela

Havia se passado dois anos desde que sua alma gêmea desencarnara em um trágico acidente entre seu carro e um caminhão. A saudade era o que doía, a vontade de tê-lo por perto, de que ele pudesse ver seu filho crescer, de poder dividir suas vitórias e alguns fracassos temporários com ele. Não podia mais. Mas sabia que era questão de tempo até se reencontrarem em outro plano, ou em outra vida. Ela seguia sua vida aqui na Terra, mas não era tão alegre como antes. Não tinha o mesmo brilho no olhar. Às vezes passava horas chorando. Não era totalmente infeliz, mas sentia saudade. Lutava por sua felicidade. Tentava trabalhar, cuidar da criança de apenas 3 anos. Seguia firme, embora aquele caminhão tivesse levado uma parte de sua paz. Resolveu, porém, numa tarde em seu escritório, aceitar o convite de uma amiga para seu aniversário. Seria uma festa em uma casa noturna, lugar que ela não ia desde que se tornara mãe. Pouco antes, ainda grávida, foi comemorar os trinta e dois anos do marido. Ligou para sua mãe, pediu que ficasse com seu filho naquela noite. A mãe se animou, nem acreditava no que acabara de ouvir. Aceitou na mesma hora, pediu apenas que esperasse por confirmação. Naquela noite foi quando se conheceram. O novo ele era divorciado. Ela sabia que podia que namorar e que estar com alguém não seria pecado, não haveria traição. Ele queria que ela fosse feliz. Ela queria ser feliz. O novo ele era interessante e logo teve vontade de conhecê-lo melhor, apenas aquela vozinha dizia que não deveria fazer isso. Besteira,...
Sublime

Sublime

Cheguei no prédio onde minha mãe mora há mais de 20 anos e senti um frio na barriga. Será que as lembranças ainda estariam vivas? Resisti por muitos meses visitar mamãe por causa dele. Mas a história teria que ser superada. Aliás, já tinha sido: eu tinha tido outros namorados, vivido outras histórias, sofrido outras decepções. Ao sair do elevador, vi a porta do apartamento dele aberta. Eu já estava com a chave da porta na mão. Antes que eu pudesse encostar na maçaneta, percebi o elevador de serviço abrir. Escutei a voz dele dizer: “vou colocar essa mala pra segurar o elevador”. Olhei pra trás. Ele olhou pra mim. Parou sem dizer nada. Eu não conseguia abrir a porta: tremia e fiquei gelada. Respirei fundo. A voz feminina já conhecia dizia: “que foi, filho? Me ajuda aqui, está pesado”. Esses poucos segundos se tornaram eternos. Estávamos nos encarando sem dizer nada e sem demonstrar nenhuma reação. Nem surpresa, nem alegria, nem medo, nem tristeza. A mãe dele saiu do elevador. Deixou uma caixa no chão. Olhou pra mim e abriu um sorriso. “Olha quem finalmente veio visitar a mamãe! Dudinha, querida, quanto tempo!” e veio em minha direção. Aquela mistura de alegria e tristeza ao encontrar dona Amália e seu filho Antonio era a única coisa que tentei evitar durante todo esse tempo. Sorri. Ela se aproximou e me deu um abraço. Afastou seu rosto do meu, me olhando nos olhos, tocando em meu rosto. Ela me beijou a bochecha e disse: “como você está linda! Sua pele, seu cabelo!”. Eu abri a porta de casa e deixei...
Razão ou emoção?

Razão ou emoção?

  Sabe aquele lugar comum: “pimenta nos olhos dos outros é refresco”? É clichê, mas não é mentira. Veja o que acontece entre minha melhor amiga e eu, por exemplo. Somos muito companheiras, ela sabe tudo de mim e eu dela (viver perigosamente!). Trocamos conselhos e experiências. Somos tão próximas que às vezes penso que ela sente as mesmas coisas que eu. Mas não tem jeito, quando é ela quem está sofrendo de amor, talvez eu dê conselhos que ela já havia me dado quando era eu a com coração partido. A decepção amorosa de sua melhor amiga pode não fazer sentido pra você, que está fora. Você pode tentar consolá-la dizendo que o cara não a merece ou que eles já não estavam indo bem mesmo. Pô! E daí? Ela está sofrendo. Claro que isso não significa que você não se importe com ela ou que seus problemas sejam maiores. Não é isso! A questão é que a emoção cega, faz mesmo tudo parecer um monstro de sete cabeças. A mesma coisa com a felicidade dos primeiros momentos de um relacionamento. Você acha que é um pouco perigoso sua amiga se iludir, pede pra ela tomar cuidado. Mas foi ela quem te disse isso há alguns meses, quando você conheceu seu ex, lembra? E você não acatou o conselho, do contrário, não teria sofrido com o rompimento. Quando o negócio é com você, a história muda completamente e o conselho que você deu pra ela, não vai fazer sentido na sua própria cabeça… E ainda vai argumentar que a situação é diferente, o que pode até ser, mas todo...
Madri 1 / 2010

Madri 1 / 2010

 Elas se conheceram por email. O único ponto óbvio em comum era que buscavam uma casa tranquila, para dividir com mais 3 meninas, no máximo. Talvez por vontade própria ou influência dos pais. Elas estavam para morar na Espanha, cursar um semestre da faculdade de Madri. Quatro meninas de 18, 20, 22 e 23 anos. A mais velha era casada e de Natal (RN). A outra tinha o cabelo todo de dread e era vegetariana. A segunda mais nova era do interior de São Paulo, mas já havia tido outra experiência no exterior. A mais nova, além de ser a mais nova, era a única loira. Uma fazia educação física, outra turismo, outra jornalismo e outra publicidade. Uma não parava de falar, as outras procuravam vácuos que pudessem se expressar. Uma segunda não passava um dia sem fazer as outras rirem das palhaçadas. A outra só escutava e observava, sempre com coisas inteligentes a comentar. A quarta não desgrudava da internet ou do telefone com os pais ou o namorado. Logo no início de começarem a se corresponderem por email, descobriram características comuns e diferenças. A priori, nada tinha para dar errado, tampouco tinha nada para dar tão certo. As três paulistas combinaram de se conhecer. A potiguar chegou chegando na primeira tarde – mas as outras a fizeram esperar algumas longas horas trancadas fora de casa porque foram explorar o bairro e foram ao mercado. Nem assim ela perdeu a graça. Fez um jantar especial, com comida vegetariana para a mais doidinha (que ainda reclamou e disse que não ia comer porque tinha caldo de galinha – e...
Viver

Viver

  Mais que sofrer, é preciso viver a dor. Sofrer é ter certeza que estamos vivos. E nessa hora, todos os clichês são válidos. “O que não nos mata, nos fortalece” ou “valorizamos mais a felicidade quando sabemos o que é a tristeza” e por aí vai. Quem dera, não é mesmo, viver apenas os momentos bons. Pular os ruins. Enjoaríamos, será? Não ficaríamos mais frágeis? Não aprenderíamos menos? Então, vivenciando tudo isso com a maior intensidade possível, consigo começar a entender o que é amadurecer. Não é deixar de sofrer; não é, tampouco, estar infeliz por estar sofrendo. É aproveitar o momento de sofrimento e da angústia, mas mantendo-se equilibrado. Saber aproveitar uma oportunidade, uma volta no bairro, uma ida a um evento especial. Não é entrar em depressão, pensar que o mundo acabou. Sofremos porque perdemos. Perdas existem porque fazemos escolhas. Maturidade é aprender a fazer boas escolhas. Fazemos boas escolhas para o nosso...
Procura-se novo e grande amor

Procura-se novo e grande amor

Quero alguém que eu possa ligar para compartilhar quando coisas boas acontecem, para me apoiar com as coisas ruins, e vice-versa – quero ser a primeira pessoa que ele pensaria em compartilhar. Quero um companheiro, e não vou deixar de buscar, mesmo que passe a vida inteira buscando. Não vou deixar de me entregar pensando que posso me machucar. Vou amar intensamente, desde o primeiro dia, esperando que o outro também sinta o mesmo. Vou sofrer, sim, muitas outras vezes, mas não vou deixar de procurar meu grande amor. Eu já pensei que tinha encontrado minha cara metade algumas vezes. Sofri, fui usada, até humilhada. Quem me amou, estava longe o bastante para me esquecer. Quem amei, me feri o bastante para esquecer. E talvez eu passe por isso, ainda, muitas vezes. Todas as feridas se fecharam, e estou disposta a ter tantas outras, desde que encontre, em cada um que eu amar, meu grande amor. Tudo bem se for ilusão, se não for intenso por parte dele. Vou sempre dizer “pensei que fosse você, meu grande amor”, e vai passar. Vou seguir minha busca. Não vou ser dependente, ele não tem que se preocupar, não sou assim. Não quero encontrar alguém que me complete. Já dizia Clarice, não? Alguém que me transborde. Quero que formemos uma superpessoa, que nos respeitemos e nos amemos até ficarmos velhinhos. Não vou deixar de buscar o amor perfeito, mesmo que eu o busque pelo resto da vida e encontre mais de um,...
Página 9 de 33« Primeira...7891011...2030...Última »