Inversão de acontecimentos

– Vou ao banheiro, você me espera, linda? – Claro, mas só se você me der um beijo. E foi assim o primeiro beijo dos dois quase apaixonados, depois de uma noite inteira de ‘amor’. Ela se deitou, nua, de barriga para baixo, abraçando o travesseiro e pensando no futuro dos dois: a manhã seguinte. (a autora é a favor do eterno enquanto dura ou duro.) (27/12/09: por favor, comentem o que vcs entenderam dessa pequena...

Já parou pra pensar nisso?

              Eu estava imaginando sobre o que escrever, então comecei a reparar nas pessoas em minha volta e, mesmo que minha obsessão por sexo tenha diminuído, meu assunto preferido continua sendo esse, ainda mais numa aula de biologia (assunto: reprodução).               Ao reparar nas pessoas, comecei a pensar em como seria suas vidas sexuais, como será que se comportam ou ainda, será que são sexualmente ativos?               Olhando para frente, vejo meu professor. Ao pensar nele fazendo amor com sua “senhora” prefiro parar com isso de uma vez. Se eu não gosto nem de ver na televisão Suzana Vieira beijando José Wilker, imagina pensar no meu professor e sua esposa fazendo amor? Não. Esquece. Não vou imaginar.               Vou falar sobre jovens por que jovem que faz sexo gostoso. É claro que jovens da minha idade não são tão experientes e estão apenas aprendendo e com isso não fazem aquele sexo estilo filme erótico. Para mim, quando eu chegar ao auge da vida sexual, estarei fazendo a la Angelina Jolie e Brad Pitt. Sensual. Muito sensual. Espero chegar nesse estágio.               Bem ao meu lado senta uma moça quieta e séria, nenhuma característica para dizer que ela é feia e nenhuma para dizer que é bonita. Não é nenhum “mulherão” nem nada. É quieta e tem cara de tonta, e as tontas, vocês sabem, costumam ser as mais safadas. Ela deve ser dessas que têm namorado e fazem de tudo com eles. Rapidinhas, demoradas e por todas as...

Não leia, por favor

Eu não estou me sentindo bem, estou numa fase estranha da minha vida. Há um mês estava morando no interior, mas esse mês passou tão devagar que me pareceu cinco, mas cinco foram os fins de semanas… No primeiro, briguei com minha mãe por que ela ainda achava que eu era criança. O segundo foi calmo e tedioso. O terceiro e precipitado, viajei a passeio para o interior onde eu morava, o quarto foi um fim de semana mais família, almocei com meus pais e fui à bienal do livro com meu irmão. E o último contraí uma amigdalite forte e chata. As cinco semanas que sucederam a esses fins de semanas passaram arrastadas, subindo a Frei Caneca e atravessando aqueles cinco quarteirões gigantes da Paulista, quase todos os dias enrolada em três casacos e com a mochila pesada nas costas. Subindo uma escadaria e descendo só pra pegar um maldito papel. Estive contando quantos all stars andam por aqueles corredores, escadas e ruas, absurdamente, a cada dez pessoas, acho, oito devem usar algum tipo de converse. Mas, ironicamente, acho que não fui eu só que percebi, por que de uma semana para outra, percebi uma diminuição abundante, acho que saiu de moda. Todos os dias frios e poluídos de manhã, quentes e ensolarados depois do almoço. Escrevendo e digitando textos como esse antes de ir dormir, todos os dias. Dias que não conseguiam passar em paz. O que salva a lembrança de todos esses dias passamos sem sentido algum, são os fins de semanas, pelo menos, não é?! São meus passeios com meus amigos que meu pai continua...

O Sofrimento de Pedro

Estou em cima da cama, tentando superar toda a dor e sofrimento que estou passando, sem quase respirar, só para conseguir não deixar para depois e com isso ser o mais sincero possível. Que vadia. Por que confiaria? Mulher safada, aquela que escolhi entre toda mulherada. Me fez esperar de pé, mas tão linda só ela é. Duas horas no frio e escuro, se bem dado, merecia até um murro. Mentirosa essa cadela, disse que se perdeu numa favela. No fim da noite, consegui levá-la pra cama e fazer dizer que me ama. Tivemos uma noite feliz, pelo trabalho que fiz, Mas saiu de supetão, sem dar explicação. E agora, estou aqui, com vontade de chorar, sem conseguir rimar. Usando algum tipo de droga para me anestesiar, Assim me controlar é mais fácil , como homem é frágil. É uma vagabunda de elite, me beijou e me passou...

Curriculum Vitae – Vale a pena ler!

             Quando será que eu comecei a ser tão segura de mim mesma em relação a minha vida sentimental? Hoje eu sou forte, há dois anos eu chorava por causa de amores, mas nada comparado à dor e a vontade de morrer das minhas primeiras rejeições. Sinais de maturidade.              Desde que descobri que meninas e meninos podem – e devem – se relacionar, tento ME relacionar com alguém, claro que só depois de batalhar muito, fui conseguir meus primeiros beijos de alguns meninos. Os beijos não foram muitos, os meninos menos ainda. Posso fazer uma média de três beijos por meninos, no começo de minha VSA*? Claro que posso, a historia é MINHA e eu faço a estatística que eu quiser nela.              Foi quando em uma viagem tola de escola que eu fiquei com o cara mais feio da minha vida inteira, sem sombra de dúvida, mas uma peça essencial para meus conhecimentos gerais: me fez perceber que eu não sabia beijar. Isso mesmo, eu não usava a língua e não colocava as mãos nos lugares certos (ainda não estou falando de mão boba), acho que eu deixava-as em cima das minhas pernas ou cruzava os braços, às vezes.              Depois de algumas dicas e exercícios teóricos e práticos, ganhei meu diploma de good-kisser e dispensei meu professor. Achei que estava na hora de conquistar o mundo. Decidi que precisava treinar e mostrar para todos o que eu tinha aprendido, foi quando de repente, realmente começou aparecer vários candidatos a cobaias,...

Ninfomaníaca?

                Nunca gostei tanto de joguinhos como ultimamente, gosto de ficar brincando de contar quantas pessoas no cursinho ou na Av. Paulista usam qualquer tipo de converse. Brinco de ser invencível quando um pivete tenta me assaltar e eu saio correndo, sem medo. Mas o que eu mais gosto, sem dúvida, é de fazer jogos sentimentais. Não estou dizendo de brincar com sentimentos alheios no sentido de magoar o outro ou usar, estou falando de brincar com todos os meus tipos de sentimentos: alegria, angústia, tristeza, esperança, saudade, só que eu sinto mais do que tudo isso, excitação.                 Se eu estou alegre e quero aproveitar o máximo da vida, não me satisfaço com karaokê, montanha russa ou pizza. Aliás, pode até ser que isso esteja envolvido, mas desde que no final, acabe na cama com cara do lado.                 Também ando um pouco angustiada e esse sentimento às vezes se transforma em tristeza, então tenho vontade de encontrar alguém para tentar me ajudar a fazer gozar da vida, para melhorar meu astral.                 Ás vezes, ao estar cheia de expectativas boas para o meu futuro brilhante como meus pais querem, procuro alguém para compartilhar essa esperança e ao deitar em seu peito para “brisar”, fazer planos sozinha, apenas eu e meus botões de minha calcinha. Mas quando a esperança desaparece, eu preciso mesmo é de alguém que me faça chegar ao fim do túnel, digo, enxergar a luz do fim do túnel.           ...
Página 2 de 3123