Homossexualidade

Parte 1: literária: “Bom dia amigos e amigas, obrigada por terem votado em mim como personalidade do ano. Eu gostaria de começar meu discurso aproveitando a ocasião para fazer uma declaração que ainda não fiz oficialmente, mas que todos vocês sabem. Vou falar um pouco da minha sexualidade. Porque vocês estão se levantando? Não, por favor, não saiam. É apenas um instante.  Valeu! Nem sempre soube da minha condição! As vezes me perguntam qual é minha opção sexual, mas não é bem opção porque eu nasci assim, não escolhi, não optei. Bem cedo descobri que eu era uma pessoa especial, não sabia porque, mas sabia que alguma coisa de especial eu tinha. Eu sempre fui uma criança diferente, me machucava no futebol quando jogava com meu irmão e amigos, muitas vezes me machucavam de propósito só para se divertirem comigo. Foi quando entendi que preferia brincar no parque com minha solidão, dentro de uma casinha de bonecas que as meninas me tiravam para poder brincar entre elas. Eu me convidava para me juntar a elas, mas o pedido era sempre rejeitado: “não gostamos de você”. Não era ruim essa solidão, eu costumava refletir muito nessa hora, foi meus primeiros sinais que eu escreveria quando crescesse. Lá pelos meus 12 anos, sem entender porque, comecei a me interessar por meninos, mas não contei pra ninguém. Eu tinha muita vergonha. Eu me aproximava de quem eu me interessava e eles acabavam virando meus amigos, grandes amigos. Depois descobria que eles não se interessavam por mim, sempre me considerei uma pessoa feia e desengonçada. Ficava o tempo todo com as meninas para...

Dois trabalhos de Estética e Imagem!

Esses dois vídeos são dois trabalhos de estética e imagem, essas aulas me encantam!Já estou louca para o próximo trabalho (esses dois têm que ser entregues sóó daqui 2 semanas) Lixo Efêmero from gabi pagliuca on Vimeo. Nota: esse vídeo não tem o objetivo de ser um clipe de música com várias coisas acontecendo. Ele tem uma história com começo meio e fim, pode ser meio entediante, mas se você ver inteiro e conseguir entender vai ser quando valeu a pena usar esses 6 min 12 seg  vendo esse vídeo. Querem tentar? Minha Vez from gabi pagliuca on Vimeo....

Aprendi com os homens no romance: jogar e ganhar

Por que não ligam no dia seguinte? Por que somem do mapa? Por que não me procuram mais? É o que algumas mulheres se perguntam, mas sabem que os homens nunca vão mudar. Mas vocês, homens não sabem que as mulheres são as que sempre mudam… Mudam por necessidade, por amor e por tédio. Os homens são sempre os mesmos, sempre usam os mesmos pretextos, os mesmos motivos e as mesmas desculpas.  Com uma exceção, outro dia ouvi uma desculpa que nunca tinha escutado. Um amigo meu que é amigo de um amigo de um conhecido meu (depois mulher que é fofoqueira) me disse que o carinha que eu estava de rolo sumiu por que eu estava agindo como os homens, que tinha perdido as características femininas em um romance, não corria atrás dele, dizia que estou, mas não demonstro, interessada… Que estou agindo como ele! Como assim? E por isso não quer compromisso? Sumiu do mapa depois de conseguir o que queria porque EU estou diferente? Faça-me o favor, se não tá a fim de mim não precisa me procurar, mas não venha com xorumelas. Se eu mudei é porque vocês, homens, já esgotaram minha paciência e de tanto me fazer de idiota, estou começando a aprender. É claro que vocês são e sempre serão os originais, não posso ser como vocês. Não sou tão insensível, não prefiro um cara-gostoso-sem-nada-na-cabeça, não faço sexo por fazer, mesmo não necessariamente querendo uma coisa séria, nunca poderia atingir o nível de falta de consideração que vocês têm. Quisera eu aprender, quem sabe não consigo?           Estou começando a me divertir mais, como...

Adianta pensar que dessa vez vai ser diferente?

 Adianta pensar que dessa vez vai ser diferente? Não adianta. Não sei por que ainda tento me apaixonar, não deveria me iludir.  Manne nie werd om ‘n sent Burrat nuk ia vlen as një grosh الرجل لا يساوي فلسا Мужчыны не каштуе ні капейкі Мъжете не струва и стотинка Els homes no val un cèntim 男人一文不值 Muškarci ne vrijedi peni Muži nestojí za penny Mænd ikke værd en krone Mannen niet waard een cent Ilusão, é sempre ilusão.  É por isso que eu odeio me apaixonar, quando isso acontece a gente fica sonhadora, encantada, mais jovem, cuidadosa, vaidosa, forte, corajosa, sorridente, cheia de vida, otimista e esperançosa. Pra que?  Men not worth a penny Mehed ei ole seda väärt kross Lalaking hindi katumbas ng halaga ng salapi Miehet eivät arvosta penniäkään Les hommes ne vaut pas un centime Pra depois pensar o quanto a gente foi idiota de pensar que “um homem como aquele” ia se apaixonar por nós? Nem adianta vir dizer que eles também são inseguros. Não aguento mais ouvir as desculpas masculinas.  Home non vale ningún centavo Männer keinen Pfifferling wert Οι άνδρες δεν αξίζει μια δεκάρα Gason pa vo yon peni גברים לא שווים פרוטה Se não ia ligar, porque pediu o telefone, ou se não ia ligar, porque disse mil vezes que ia? Por quê? Pra que? Homens se acham muito importante. A gente perde os sonhos, os encantos, envelhecemos, paramos de cuidar de nós mesmas, nos tornamos fraca e sem coragem, chorosa, com pouca vida, pessimista e sem esperança.  नहीं एक पैसा मूल्य पुरुष Férfiak nem érdemes egy fillért Men er ekki þess...

Kapital, 28/02

                Ontem eu fui a uma festa em uma das baladas mais famosas daqui de Madri, a Kapital. Realmente é de se impressionar! Quem vai, sai falando coisas do tipo “ela é fantástica, extraordinária!”, “você tem que ir”. Eu me impressionei muito mesmo foi com a quantidade de gente olhando pra cima e com uma fila de uma hora pra deixar o casaco. Saí falando “se aquilo é uma pista de dança, porque diabos ninguém está dançando?” porque eu simplesmente não gostei e provavelmente não voltarei lá.                 Falem o que quiser, não precisa concordar comigo em nada, mas o que eu sei é que eu me senti de volta a minha infância quando eu via que todo mundo se impressionava com cores, luzes, roupas brilhando. A não ser pelo tamanho e o formato do lugar, que é um teatro de sete andares (eu não fiz questão de conhecer tudo, vou falar só da pista de dança do palco), ele deixa muito a desejar. Isso não é uma “crítica” ao lugar, não estou fazendo um  “review” sobre a balada. O que fiquei pensando enquanto eu tentava dançar, porque a música às vezes parava e algo chato e não-dançante acontecia, é que de novo, como sempre acontece, por causa da beleza e fama, o lugar deixa a desejar em qualidade. O lugar é lindo, gigante, mas as músicas paravam como eu disse, e não dava pra dançar. Muita gente espremida, não dava pra conversar com os amigos. Cigarros nos queimando, machucava. Copos quebrando, cacos no pé das meninas (quase) obrigadas a usar sapato pra entrar ali. Quando percebi que não...

Quando escrever é uma arte?

Estética há em tudo o que consumimos. Os objetos, comidas, eletrodomésticos e eletrônicos, brinquedos… tudo está cada vez mais atrativo, colorido, com texturas e, é claro, gostamos de comprar o que nos agrada ao olhar. (E gostamos de namorar pessoas que a mídia (ou Globo) diz serem bonitas, esquecemos de olhar a qualidade porque o “importante” é namorar alguém que seja o padrão de beleza da moda) Esquecemos, muitas vezes, que a beleza está em outros lugares também, muito mais do que em objetos e imagens que vemos, deveria haver beleza também nas formas, jeitos, poses e cenas que imaginamos quando estamos lendo um bom texto. As artes não são consideradas artes por qualquer motivo. A música, dança, pintura, escultura, teatro e cinema são formas riquíssimas de se expressar. A diferença é que ler dá mais trabalho. Você pode ver, ouvir, apreciar essas outras artes sem ao menos parar para pensar em um prólogo ou epílogo e nem imaginar qualquer cena, porque elas estão lá. As imagens produzidas vão estar lá, de qualquer maneira, se você pensar sobre elas ou não. Mas quando você lê, você é obrigado a imaginar, se não, você para de ler, e quando para de ler, a imagem não se forma, o objetivo não se cumpre. Pra quem tem imaginação, um texto bem escrito proporciona grandes viagens no mundo da fantasia. Ele pode gerar reflexão, curiosidades, euforia e conhecimento para quem os lê. Mas as vezes as pessoas esquecem que escrever bem também é uma arte, e como toda arte tem uma padrão, uma estética e um motivo por estar escrevendo, não é simplesmente...
Página 8 de 18« Primeira...678910...Última »