Manipulação midiática

Manipulação midiática

Quando o governo alemão começou a matar os judeus, a imprensa americana não noticiava como uma história importante e de interesse público. De acordo com o documentário Holocaust: The Untold Story (eu assisti no Newseum), as mortes eram noticiadas em pequenas notas nas páginas de dentro dos jornais. Quando já era tarde demais, os jornais importantes começaram a fazer desse assunto, primeira página. Motivo? Interesses pessoais. O que aconteceria se colocassem assim que soubessem nas primeiras páginas de seus New York Times e Washigton Post? Moveriam a opinião pública e poderiam ter conscientizado os cidadãos que algo não ia bem? Isso poderia mudar a política do governo? Poderiam ter evitado mortes e tanto sofrimento? Poderiam ter mudado o rumo da história mundial? Se você pensa que está muito longe da nossa realidade e que isso não vai se repetir porque foi há muito tempo e que hoje a comunicação e a tecnologia fazem as informações serem mais certas e que não dá para esconder nada… Está enganado. Por exemplo, durante 12 anos a rede CNN monopolizou as imagens da Guerra do Golfo e o mesmo aconteceu na guerra do Iraque (isso se não está acontecendo também nesse momento, o que não duvido). As guerras, para os americanos, são como seu governo quer que seja. Muita glória, poucos soldados mortos e nenhum civil afetado. E a realidade não é essa. Isso porque estamos falando de uma guerra! Imagine qualquer outro assunto que quiser, a facilidade que um canal de televisão tem para esconder um escândalo, por exemplo. Saber disso tudo te faz sentir uma vítima? ( ) sim ( ) não ? Se não, ótimo. Se... ler mais

Como a mídia desvia sua atenção dos problemas importantes:

Uma tarde na frente do computador…. Você vai lá e clica ou no “beleza e motor” ou no “ator de ‘Força Tarefa’”… Ficha limpa? O que é isso? Aí, você achando que vai tá informado por entrar no terra.com.br vai lá e clica nas 100 namoradas e mulheres de personalidades…  Eleições no senado do Pará? Pará? Onde fica isso? E o que diabos é Senado? Aí você continua nos sites jornalísticos… Daí você pensa um pouco e… Olha!!! Eu quero saber o que vai acontecer mais tarde na minha novela… Depois eu volto e leio sobre a Ficha Limpa… Mais tarde…   Depois…   Depois você vai dar uma olhadinha o que tá é TT no twitter de hoje…   E a Ficha Limpa? Ah, esquece… Vai começar minha novela na televisão, por isso vou ter que desconectar!... ler mais
Sou maduro?

Sou maduro?

Para você que acha que é grande ou que sabe que não é, mas gostaria de ser, esse texto é para você. Às vezes pensamos  que estamos completos e que somos maduros para nossa idade, mas na verdade, o que é ter 18, 19 ou 20 anos? Se cada um, com essa idade, está em uma fase diferente, como definir o que é ser um jovem adulto? Que tipo de responsabilidade nos cabe? Nascemos na era digital e tudo o que precisamos é que alguém faça algum upload das informações necessárias. Por isso nossa geração pensa que sabe demais.. Enquanto as gerações passadas têm uma boa bagagem de assuntos específicos, nós temos conhecimento superficial de uma grande quantidade assuntos. Mas e no fim, o que é maturidade? Maturidade está vinculada a conhecimento? Não, acho que não. Tem mais a ver com sabedoria, uma sabedoria interna. Por exemplo, quando a vida nos dá um dilema, a maturidade se mostra dependendo da forma que nós o encaramos, e muitas vezes de nada adianta saber tudo sobre uma banda, tecnologia, culinária ou sapatos. Outro exemplo de maturidade encontrar um meio termo para qualquer coisa, se necessário. A pessoa começa a amadurecer quando começa a ceder. E a mais óbvia, mas menos percebida é a questão dos assuntos da pessoa. Tem gente que, depois de anos continua falando sobre os mesmos assuntos chatos de sempre. Espelhar-se um pouco mais nas pessoas mais velhas pode ser muito útil, elas podem não saber para que serve o twitter, mas sabem melhor que nós como viver. E ainda que não pareça o caminho certo, essas pessoas só... ler mais
Como tomar decisões certas?

Como tomar decisões certas?

Quando comecei a “frequentar” redes sociais que davam a opção de colocar no perfil “tenho um lado espiritual independente de religiões” (Orkut) foi mais ou menos a mesma época que eu abandonei meu rótulo de católica. Não tentei outra. Não fui em busca de centros espíritas, igrejas evangélicas nem procurei o Candomblé. Simplesmente comecei a adotar o “lado espiritual independente de religião”. E esse lado me fez questionar o que é certo e o que é errado, de acordo com as leis do homem e de Deus (eu acredito em Deus, você pode acreditar no que quiser e ainda se identificar com esse post, porque eu não falo de religião como instituição). Não que religião seja ruim. Não é. E esse post não é para te convencer do contrário. Apenas não é uma escolha minha, mas respeito totalmente se é uma escolha sua. Eu gosto de me sentir livre para acreditar em tudo o que eu quiser. Não gosto da ideia de alguém me dizendo para não acreditar em algo que acredito, que faz sentido e tenha lógica pra mim, só porque alguém disse que não. Liberdade. Eu adoro liberdade. E como eu gosto de liberdade, comecei a pensar nela, de um tempo pra cá. Liberdade é fazer tudo o que queremos, sem pensar em mais nada? Será? Como tomar decisões certas? Gosto tanto de liberdade que já bati boca com um francês porque ele disse coisas super preconceituosas sobre homossexualidade e mencionou que um colega “negro, assim, como eu”, que era vegetariano e budista “onde já se viu… negro e budista?”, disse ele que era a mesma coisa de um japonês... ler mais
Corpo

Corpo

07 de setembro de 2010 Às vezes nosso lugar preferido é nosso quarto ou o colo da mãe…  Particularmente esses dois são meus preferidos. O que acontece, no entanto, quando não temos nenhum dos dois no momento em que nós precisamos de um lugar quando a raiva, a solidão, a dor ou o medo chegam?  O que fazer? Cheguei a conclusão que fazer do nosso corpo o melhor do lugar do mundo pra se viver é a melhor solução de todas. Nosso próprio corpo, óbvio demais? Pra muita gente não, porque tem gente que só consegue enxergar de fora pra dentro e não de dentro pra fora. Assim era comigo. Nosso corpo é o lugar onde estaremos mais confortáveis e seguros enquanto estivermos vivos. E é a melhor maneira de se viver em paz. Precisamos fazer do nosso próprio corpo nosso alívio. A gente não se separa do nosso corpo em vida. Ele está aí com você, o tempo todo. Às vezes até me pergunto como consigo me aguentar por tanto tempo sem me largar. Sou meu lugar preferido de mim mesma. Eu e meu corpo somos um parte do outro. Você e seu corpo também. É a única coisa que é só nosso e ninguém pode nos tirar. Daí, quando finalmente você fizer do seu corpo o melhor lugar do mundo, qualquer praça, estação de trem, jardim, prédio, café, qualquer bairro, cidade, estado ou país podem vir a ser seu lugar preferido do mundo, porque na verdade, não vai ser o lugar. Falando em corpo. Cuide bem dele. Percebi que o corpo é apenas um empréstimo, o que... ler mais

Política

Eu quero dizer algumas coisas sobre política. Eu não tenho preferência a nenhum partido político. Não sou petista, nem qualquer outro. Eu voto no candidato que eu mais confio. Mas eu não estou aqui para dizer em quem vou votar (até porque talvez, infelizmente, eu NÃO vou votar), mas para dizer algumas coisas. É muito fácil falar das plásticas da Dilma. É muito fácil reencaminhar emails falando mal dela. É muito fácil transmitir o que os outros falam. Mas a gente esquece que se essas pessoas fazem plásticas ou se maquiam demais é porque nós, o público, exige uma boa aparência. Leia a entrevista da presidente do Flamengo sobre o goleiro Bruno, ela fala um pouco sobre isso. Nossa sociedade é ridícula nessa dimensão: exige boa aparência de todos. Então, antes de criticar, vamos pensar se não somos nós mesmos, pessoas fúteis e superficiais que exigem, indiretamente, “boa” aparência da nossa candidata. É muito fácil reencaminhar emails porque são engraçados. Mas a gente esquece que a candidata é do mesmo partido do atual governo, e que vocês gostando ou não, melhorou nosso país e não nos deixou cair em momentos de crise MUNDIAL. E a última coisa. Cuidado com as informações que vocês passam. Eu estudo jornalismo, mas não posso ser hipócrita ou ingênua em pensar e transmitir pra vocês que as nossas mídias de hoje são sinceras e imparciais. Cuidado com as informações que vocês acham relevantes. Todo grande meio de comunicação tem seus interesses. Ate mesmo quem não parece que tem interesse, quem parece que esta prestando um serviço publico. Meus amigos e amigas, TODOS tem interesse. Globo,... ler mais
Saudade

Saudade

Saudade… Eu quase morro de saudade todos os dias! Tenho saudades das pessoas, de todo mundo que passou pela minha vida. Até quem acha que mal é lembrado. Sempre tenho saudade, mas agora mais, porque estou longe de quase todo mundo que é importante pra mim.Mas antes eu costumava ter saudade de antigamente e ficava triste, muito triste, porque o antigamente acabou. Eu ficava com tanta saudade que meu corpo não aguentava e entornava a água da dor da alma, que é a lágrima. Eu pensava tanto no passado, que eu deixava de pensar no futuro, às vezes. Pensava tanto, lembrava… Via fotos, colecionava cartas que recebi e as que escrevi e não mandei… E as lia periodicamente. Manter o passado por perto, era questão de alimentar alma. Eu queria por que queria manter contato com as pessoas… Mas as pessoas mudam, eu mudo, todo mundo muda. A saudade era tão má que eu pegava raiva de quem marcou minha vida e mudou, inclusive tinha raiva de mim mesma, porque mudar estragava minhas saudades. Não sei se eu preferia que estragassem, de qualquer maneira, porque assim eu não teria que me preocupar em ter saudades dessas pessoas. Mas mesmo assim eu tinha. E a saudade doía, agora em dobro. Mas de repente, quando eu me dei conta, eu fui parando com isso. Primeiro me mantive longe, me afastei, disse pra minha melhor amiga: “eu também estou com saudade, mas eu não posso viver aqui com o pensamento aí o tempo todo, porque se não eu não vou viver nem aqui, nem aí”. A mudança começou, aos poucos. Mudei, finalmente.... ler mais
Solidão vs. Companhia. Nossa batalha pelo equilíbrio.

Solidão vs. Companhia. Nossa batalha pelo equilíbrio.

É impressionante como as coisas mudam totalmente quando se tem amigos por perto. Não só perto fisicamente, mas quando sabemos que eles estão lá, simplesmente. O engraçado de estar longe de todos os amigos é perceber o quão fraco nós somos. Perceber isso é bom e ruim ao mesmo tempo. Bom porque nos damos conta de que não podemos ser felizes sozinhos. Mesmo que tentemos, ou ainda, que precisemos, não podemos e não devemos. Quando descobrimos isso, acabamos lutando pra ser alguém melhor para poder agradar os outros.  Na tentativa de fazer para as outras pessoas evoluímos e melhoramos como seres humanos, para nós mesmos. Convivendo sempre com pessoas percebemos alguns defeitos que ainda podem ser corrigidos. Nos faz enxergar melhor onde estamos errando. Desse modo, não ficamos na inércia quando se trata de evolução também espiritual. Só que ao mesmo tempo que é ótimo ter pessoas sempre por perto, é péssimo depender dos outros porque, definitivamente, temos que aprender a viver sozinhos. Temos, sim, que aprender nos amar e ser auto-suficientes porque nem sempre teremos os amigos por perto. Não podemos nos doar por inteiros se não estivermos felizes com nós mesmos. Temos que nos amar primeiro para poder dar amor para os outros. Quando me perguntam se eu coloco os outros em primeiro lugar, pra depois pensar em mim, respondo que não, sem titubear. Isso me faz primeiro egoísta?  Talvez, mas nunca deixo de explicar meu raciocínio: se eu, como mãe (exemplo) não cuidar da minha saúde e ficar sempre doente, como vou poder cuidar do meu filho do jeito que é esperado? Então, eu cuido de mim para... ler mais

O Museu da História Americana

         Nos Estados Unidos antes da Revolução Industrial existia uma classe de trabalhadores que atuava na rua, como ambulante. O país teve também escravos até 1865, até a Guerra Civil, entre o norte e o sul do país, o primeiro queria que liberdade para os escravos e o último não queria. O norte conseguiu seu objetivo e escravos foram libertados.          O país de Barack Obama foi construído pelos negros enquanto os brancos só ficavam sentados contando o dinheiro, ruim pra sociedade, mas bom para economia. Assim como no Brasil, os negros depois de livres, sofreram muito preconceito, e até hoje sofrem, mas eram eles que sabiam fazer realmente acontecer, fazer o trabalho duro.          Minha professora de inglês nos levou para o National Museum of American History (Museu Nacional da História Americana), onde eu aprendi um pouco disso que acabei de contar. Um museu de entrada franca, financiado pelo governo, com seções variadas: cultura popular, como cinema, televisão e música; uma seção destinada aos presidentes e outra para as primeiras damas; sobre tudo de tecnologia; uma bem grande sobre todas as guerras etc.          Na parte da cultura popular havia verdadeiros tesouros da história, como o sapato de Dorothy, do musical O Mágico de Oz; a roupa do personagem Rafik, macaco padrinho do Simba, no musical O Rei Leão; desenhos originais do Looney Tunes e logo na entrada, esse Dumbo bem grande da foto ao lado.         Tem um espaço, quase um andar inteiro, dedicado à parte científica dos Estados Unidos: biologia, tecnologia, geografia, energia atômica, química em geral…... ler mais
Quem nunca gostou de nada babaca, que atire a primeira pedra.

Quem nunca gostou de nada babaca, que atire a primeira pedra.

2016: Estava um pouco reativa, mas a mensagem foi: pratique o não julgamento! As críticas abaixo são válidas, mas usaria palavras menos agressivas e mais amorosas, respeitando essas pessoas que também merecem nossa compaixão. 2010: Cara, as pessoas têm mania de criticar tudo, né?! Criticam os políticos, os jogadores de futebol e o técnico, criticam o ensino e os hospitais públicos, os particulares também. Hoje eu recebi essa imagem por MSN: Parabéns pra quem fez isso, MUITO criativo chamar o ‘ator em alta’ de viado, realmente, ninguém nunca pensou nisso e vai ficar pra posteridade, como obra de arte, esse seu banner! Ah, e obrigada por me convencer a não ir ao cinema só porque ele é viado. Claro que tudo isso que eu falei foi irônico. Logo me veio na cabeça algo assim: Bom, eu não tive nenhuma intensão de ser criativa. (eu tive que mudar uma palavra porque ela não estava adequada). Bom, foi algo bem rápido que eu fiz, meio no improviso, só pra demonstrar minha indignação. Não, cara, eu não sou fã do Crepusculo, eu nem ao menos gosto de vampiros pelo simples fato de eu não gostar de monstro e vampiro pra mim é monstro. (Pra mim, quem gosta de ver sangue, pessoas morrendo e vivos mortos são pessoas que precisam de tratamento, traumatizadas com algo, sei lá, mas, estou aqui pra denfender um ponto) No entanto, as pessoas vêem essas imagens (essa 1a imagem) como uma coisa “super legal  YEY”, e ficam divulgando algo tipo isso. PARA, CARA, VOCÊ TEM QUE ARRUMAR OUTRA OCUPAÇÃO!!! 10 motivos que eu acho que esses caras são... ler mais
Página 20 de 41« Primeira...10...1819202122...3040...Última »

ADQUIRA O CD >>CLIQUE AQUI<<

lancarassim

 

 

 

 

 

Confira a playlist do CD e COMPARTILHE:

Sou escritora, terapeuta holística, facilitadora de processos de autoconhecimento e estou colocando “Ritmo” em meus escritos (Poesias) e fazendo um RaP disso tudo, um rap no estilo “zen vergonha”, risos.

Eu amo escrever e compartilho meus processos de evolução para que as pessoas se sintam inspiradas a correrem atrás de seus próprios sonhos.  Quando eu escrevo, exponho meu ponto de vista. Minha leitora ou meu leitor não necessariamente concorda comigo e, na verdade, concordar ou não é o que menos me importa.

Quando escrevo, estou fazendo uma terapia. Estou tirando algumas conclusões de assuntos que muitas vezes são inconclusivos. Conclusões essas que posso expandir ou até mudar a partir de uma nova informação ou experiência. Quando escrevo, estou racionalizando meus processos de autoconhecimento e conhecimento do mundo.

Quando eu disponibilizo o que estou escrevendo para que as outras pessoas possam ler, minha intenção é que, se sentirem no coração, reflitam sobre e tirem suas conclusões pelas próprias experiências!

Como terapeuta e facilitadora de processos de autoconhecimento, sou praticante da técnica de cura energética ThetaHealing e criei uma Oficina de Autoconhecimento. Essa Oficina tem uma metodologia exclusiva porque é do meu coração para o coração de vocês, eu mesma desenvolvi a partir de estudos de comunicação (sou formada em Jornalismo), cura energética e reprogramação mental (ThetaHealing e outras técnicas) –  então é bem especial mesmo <3

Essa metodologia chamada Sistema de Gerenciamento de Questões Pessoais propõe um novo olhar sobre um “problema” (questão), com foco na *solução*.

 

Paz e Luz

Nesta categoria, você encontrará textos sobre minha experiência com a espiritualidade. Como um Ser em evolução, faço aqui as reflexões sobre como me conectar com meu Eu superior e como posso ser uma pessoa melhor no meu cotidiano com minha família, amigos, desconhecidos e nas relações profissionais.

Esta categoria é muito mais genérica e estão os textos sobre comportamento, vegetarianismo e outras reflexões sobre o meu estilo de vida ideal.

Estilo de Vida

Esta categoria é muito mais genérica e estão os textos sobre comportamento, vegetarianismo e outras reflexões sobre o meu estilo de vida ideal.

A categoria mais antiga do blog! Em Crônicas você pode ler todos meus textos cheios de aventura, romance, reflexões e, claro, muito beijo na boca. Tudo escrito com muito carinho, cada crônica escrita no tom e no ritmo que achei coerente para o tema.

A categoria mais nova do site, criada em Julho de 2015.  Segundo Aristóteles, a catarse diz respeito à purificação das almas por meio de uma descarga emocional provocada por um drama. Neste espaço exponho porque eu me sinto purificada com algumas obras artísticas, por exemplo: músicas, longas ou curtas ou artes plásticas.

Catarses

A categoria mais nova do site, criada em Julho de 2015.  Segundo Aristóteles, a catarse diz respeito à purificação das almas por meio de uma descarga emocional provocada por um drama. Neste espaço exponho porque eu me sinto purificada com algumas obras artísticas, por exemplo: músicas, longas ou curtas ou artes plásticas.

Em Matérias, publico os textos jornalísticos que produzo de forma independente e livre. Os temas são os mais diversos, inspirados nos últimos acontecimentos ou de temas que são relevantes para mim. Alguns materiais são da época da faculdade em que guardo com muito carinho toda aprendizagem dessa importante fase da minha vida.

Essa categoria foi criada após eu conhecer o campo da manipulação de energia com o objetivo de curar minhas feridas emocionais e fisicas, sanando-as e desobstruindo meus centros de energia para que eu possa cumprir minha missão de forma mais saudável, feliz, em paz e com gratidão. Aqui compartilho o que aprendo.


Gabriela Pagliuca

aka/vulgo Gabitopia

Sou artista e facilito processo de autoconsciência. Alimento o Gabitopia, esse blog, há mais de 11 anos. Estudei e sigo estudando comunicação, facilitação de grupos e técnicas de cura a partir de manipulação de energia (holística).

Meu blog é onde está quase todo meu trabalho como escritora, para saber mais clique aqui. Para saber mais do meu trabalho como facilitadora de processos de autoconhecimento, acesse aqui.

Meu propósito é amar, dar amor e estar em paz. Aqui é meu lar virtual, uma ferramenta para eu cumprir meu papel!

Gosta do Gabitopia?

Faça uma Contribuição Voluntária

Para apoiar o Gabitopia e meu trabalho de forma geral, você pode contribuir no botão abaixo, com o valor que quiser. Se quiser fazer uma contribuição voluntária ou parceria recorrente (mensal, semestral, etc), entre em contato no gabitopia@gmail.com que podemos conversar melhor.

Agradeço muito a todos que já me apoiam, pois sem esse apoio não conseguiria!

Envie uma mensagem preenchendo o formulário:

gabitopia@gmail.com

w

(13) 981310537

whatsapp