amiga é pra isso mesmo.

                No fim de semana, saí com uma amiga para um bar dançante e ela me disse que é lésbica. Eu nunca tinha percebido, ela é muito discreta. Não soube o que dizer na hora, mas não por ter algum preconceito, por que era a mesma coisa se ela tivesse contato que tinha ficado com o cara mais nerd que estudou com a gente no colégio. Uma coisa inesperada, mas normal. Só não sabia o que dizer.                 Eu fiquei em silêncio por um momento, mas não pensava nada demais, mas ela ficava me questionando sobre meus pensamentos e se não ia mudar nada entre nós e é claro que não vai. O que eu sinto por ela é único e nós somos amigas há dez anos, ela é uma das únicas para quem eu corro quando eu preciso e vice versa.                 Ela disse que estava se sentindo mal por ter me contado, que eu não precisava saber. Eu disse que se ela não me contasse, sim, ia ser uma falta gravíssima para nossa amizade, então ela sorriu, tomando mais um drink e olhando a pista. Eu perguntei pra ela porque ela me contou aquilo bem naquele dia e ela me contou que estava namorando. Sinceramente, eu achei a coisa mais fofa que uma amiga pode ter feito comigo. Sabe, provavelmente sou a primeira das amigas a saber sobre sua homossexualidade e sobre a tal namorada.                Ela estava muito incomodada com aquilo e eu por ela... ler mais

Irmã fura-olho

(desculpa, irmã, essa história tem que ser contada pelo bem da nação) Eu era apaixonada por um vizinho quando eu tinha quinze anos, mas ele tinha treze. Eu gostava muito dele mesmo assim e eu achava que ele gostava de mim. Certo dia, ele e outro amigo foram ver televisão lá em casa. O clima estava rolando, o filme começando e deixei minha irmã com eles e fui fazer sei-lá-o-que rapidinho. Quando voltei, estranhamente, ela tinha deitado a cabeça do menino em seu colo. Logo no começo do filme, ouvi uns barulhos de baba e quando olhei pro lado minha irmã e o menino – seis anos mais novo que ela – estavam se beijando. Fala sério, era o menino que eu gostava e era minha irmã lá, ela não devia ter feito isso. Levantei muito nervosa e expulsei os dois meninos de casa, estava incrédula. Fiquei me sentindo idiota. Eu devo ter ficado sem falar com ela por uns dias, enquanto tive que usar óculos de sol pra esconder o olho furado, mas depois simplesmente passou… Se não se pode brigar nem com amigas por causa de homens, imagina com... ler mais

Um pouco de filosofia, afinal.

Há muito tempo que venho pensando em fazer alguma coisa que me fizesse bem. Pensei em como mudar o mundo, e comecei a ler um livro que chama “como mudar o mundo”, é um livro muito bom que trata de “empreendedores sociais”, são pessoas que têm uma empresa ou um negócio que, vou dizer resumidamente para deixar claro, é caridade e sem fins lucrativos. Não é negócio para mim, não para alguém como eu, com essa mentalidade como a minha. Hoje eu assisti uma minissérie baseada no livro “O Mundo de Sofia” de Jostein Gaarder. Eu já tinha ouvido falar e pra ser sincera, já tive que ler alguns capítulos para a escola e eu não o fiz. Quando eu vi o DVD na prateleira não consegui negar a mim mesma essa experiência. Parece que o DVD estava exclamando por mim! “Ser ou não ser, eis a questão.” Sabe… “Penso, logo existo”, coisas assim. Falando assim, até parece que eu sou facilmente influenciada por tudo o que eu escuto, e eu entendo quem pensa assim: sou vegetariana, gosto dos filmes infantis que o Disney Channel lança e agora a busca pelo conhecimento de repente nascer por causa de um filme. É que tudo tem uma explicação, inclusive gostar dos filmes da Disney. Tudo é tendência, pelo menos pra mim. Minha professora preferida no colegial? Professora Gabriela, de filosofia! Vegetariana? Sempre houve uma tendência. Camp Rock e Hannah Montana? Ah, isso é outro post, vinte e quatro horas no canal 88 da Sky. Então, eu decidi que ainda quero fazer alguma coisa pra mudar o mundo, e vou fazer mesmo,... ler mais

Ceticismo?

Duas coisas: (1) crer ou não crer no destino e; não importa por qual optar, (2) saber o que fazer com ele. Às vezes fazemos coisas pensando um objetivo, mas quando menos se espera, uma nova situação nos surpreende, talvez até seja mais difícil saber se confiamos ou não apenas no destino. Acreditar no destino, por mais que pareça para muitas pessoas a forma mais fácil de viver, pelo simples motivo de “o que tem que acontecer, vai acontecer”, mas a realidade não é bem assim. Todas as coisas que conquistamos não vêm fácil e não tem que deixar nas mãos do destino, apenas. Se você quer muito encontrar um emprego legal e não procura, não estuda, não aprende e não batalha, quais as chances, mesmo se estiver em seu destino, de encontrar esse tal emprego? Uma das diretrizes que podemos seguir se não confiarmos em destino é lutar sempre pelo o que quer, o que cabe para todas nossas ações na vida, é claro, mas com uma diferença: não confiar no destino nos faz muito mais fortes e perseverantes, já que tudo está em nossas mãos. Se você trabalhou duro para conseguir um emprego bacana, enviou seu currículo para as melhores empresas de sua área e realmente não era seu destino ser isso, você realmente não vai conseguir, sinto muito. Isso sim é destino. O que eu quero dizer não é, de maneira nenhuma, que eu não acredito em destino, porque eu acredito, e isso é o pior! Eu acredito tanto que, sempre que eu perco alguma oportunidade, deixo “nas mãos do destino” até por não ter absolutamente... ler mais

Em outro país…

Conhecer os lugares mais inesperados é maravilhoso, conhecer outras culturas e parar para discutir nossa própria com desconhecidos também. Máximo é chegar num lugar onde você pode fazer o que você quiser sem medo de que as pessoas te julguem. Procurar a paz interior ficando em silêncio no seu canto e ouvir a conversa dos outros, não como fofoca, só para acrescentar seu vocabulário do portunhol e espanenglish. E não pensar no que poderíamos ter feito, o que não deu certo não deu e nada de ficar se remoendo. Legal é poder se conectar com cada lugar que você vai e poder se sentir parte de cada local que se passa, nem que for por apenas um... ler mais

Em 2009 pretendo…

– Encontrar equilíbrio entre felicidade e tristeza; Chega de altos e baixos tão extremos, a vida é feita disso, mas a minha é muito. Uma hora estou totalmente feliz, cantando e saltitante e outra eu me encontro triste, fechada nos meus pensamentos pesimista. Isso tem que acabar! – Estudar bastante para ser a primeira da classe e conseguir o intercâmbio; Se eu quero mesmo ser uma boa profissional a hora é agora. Agora é que eu vou começar a provar para mim mesma o quanto longe eu posso e quero ir. – Encontrar um emprego na minha área; Bom, que irei trabalhar é fato, agora é correr atrás de empregos, mesmo que seja estágio e não me paguem tão bem, na minha área. Nada de desistir fácil e ir trabalhar em lojas de roupas e bares (alguém tem que fazer isso, eu sei, são boas profissões, mas não é pra mim). De preferência um emprego que me abra portas e que me faça escrever MUITO! – Alimentar-me melhor e descobrir o prazer nisso; Estou certa que essa minha decisão de ser vegetarina foi uma das melhores que tomei na minha vida, mas com ela vem vários contra-tempos como uma pequena anemina e fraqueza. Preciso encontrar novas fontes de nutrientes, porque mesmo antes, quando eu comia carne, eu não me alimentava bem. Preciso descobrir o prazer em comer. – Melhorar a mim mesma para que eu possa exigir mudança nos outros. É claro que ninguém é perfeito e eu reconheço isso, tanto em relação a mim quanto aos outros. Mas se eu quero pessoas legais, divertidas e inteligentes ao meu... ler mais

Jogo do amor

Para mim, é muito estranho falar de amor. Não que eu não tenha sentido, muito pelo contrário. Contrariando tudo o que eu era no passado quando eu estava apenas aprendendo sobre a vida, eu consigo, estranhamente, controlar o que eu sinto. Eu não sei se isso é bom, eu só sinto quando eu quero, monto todos os personagens e entrego a cada um, o meu script mental de tudo como eu gostaria que fosse. Quando o que está no roteiro não dá certo, o que significa sempre, para mim é tão fácil que eu me assusto. Eu amasso e jogo fora. A minha decepção não é pelo romance que não deu certo ou o amado que não me ama, muito menos porque não aconteceu como eu queria. A tristeza é de acontecer o oposto do esperado. Eu não ligo se sair alguma coisa errada, se nem todos os personagens agirem como eu programei. Se cada palavra for dita com a paixão e a atenção que eu desejo, o conteúdo não me importa tanto. Talvez se as coisas acontecessem de formas diferentes do previsto, de maneira que até me fizesse um pouco surpresa, acho que seria até muito mais interessante. Eu não posso prever o que cada pessoa vai sentir e o que cada um vai dizer. Não consigo fazer com que a outra pessoa se apaixone exatamente do jeito que eu quero, mas o mais estranho de tudo é que eu consigo, sem dúvida nenhuma, fazer dos meus sentimentos o que eu quero e o que a outra pessoa espera, se eu souber o que é. Consigo controlar meu... ler mais

Esperança um pouco menos distante

Com tantas pessoas por metro quadrado nas grandes metrópoles, é inevitável que, com freqüência e de várias formas diferentes, elas sintam seu espaço invadido e percam a paciência: no trânsito das 19 horas; quando um menino de rua assalta alguém ou quando duas pessoas querem a mesma última caixa de sabão em pó em promoção. A melhor solução não é ficar acomodados com o caos e sim pensar em como melhorar para que todos se beneficiem. A primeira atitude para que a violência acabe é urbanizar melhor e industrializar mais o interior dos estados. O governo deveria implantar faculdades públicas de qualidade e incentivar as particulares a implantarem campus também em mais dessas cidades. Além do terceiro grau, elevar o nível da educação do primeiro e segundo também. Com essas medidas, os jovens poderiam ter mais alternativas para “criarem raízes”, diminuindo, em longo prazo, a aglomeração nas capitais. Ainda com as pessoas melhor distribuídas pelas cidades, existem as que não conseguem fixar-se em um emprego por muito tempo. Fatores para o desemprego são vários: idade; pouca ou nenhuma formação; pelos dois itens anteriores ou por falta de oportunidade e perseverança. Para que todos consigam trabalhar, é necessário que o terceiro grau seja acessível para todos, afinal de contas, quase não existem mais trabalhos nas metrópoles que a pessoa use totalmente sua força física por causa da tecnologia das máquinas. Quando não houver mais aglomeração e a maioria das pessoas estiverem empregadas, será necessário investir de vez na educação infantil para que o ciclo não se quebre e os futuros jovens e adultos façam boas faculdades e tenham melhores empregos.... ler mais

" How you doin’ " para moças.

Já imaginou você numa situação assim: você encontra um cara lindo em algum lugar, vocês se olham, rola o interesse dos dois, mas ambos têm vergonha de conversar porque vocês estão sei lá, num ônibus ou metrô? No meio da rua? Na aula de natação? Como você reagiria se ele falasse com você é fácil de imaginar. Mas e se você falasse com ele, como ele reagiria? Será que você precisa ter medo de falar com um cara legal só porque você é a garota. Acho que não. Confira algumas dicas importantes de como fazer os primeiros contatos com o menino gatíssimo que avistou sem querer e fica super-envergonhada, pelo menos nos primeiros instantes, em falar com ele. – Procure perceber se tem alguma dica se o cara tem namorada. Alianças em uma das duas mãos é sinal de uma suposta namorada, portanto é bom não arriscar. Se você já conhece mais ou menos o cara e acha que está solteiro pode olhar no orkut para checar ou perguntar para os amigos também é uma boa. Se ele tiver namorando e você ainda quiser se aproximar, se aproxime como amiga, não há nenhum problema nisso (eu acho). – Mesmo se o cara não tiver namorando, ele pode não está procurando alguém ali naquele lugar ou naquela hora, não force as coisas. – Não é fácil conversar com alguém que a gente não conhece. É claro! Quando eu comecei a pensar dessa maneira, talvez uma janela com luz tenha aberto na minha mente: porque temos vergonha, exatamente? Se você está no intervalo da sua aula ou na academia e fala... ler mais

O primeiro a gente não esquece

Eu tinha 12 anos e acabado de sair da “Fase do Patinho Feio”, meus cabelos já batiam nos ombros depois de uma temporada de “Joãozinho”. Nunca tinha ido às festas a não ser festas nos salões dos prédios das minhas amigas, que eram poucas. Quando quis sair pela primeira vez, foi num domingo, para uma matinê. Minha irmã, já com 16 anos, insistiu para que eu não fosse, mas minha mãe disse que ela só iria se eu fosse junto. O lugar aonde ela ia era num shopping (para os cariocas, devem se lembrar: rock in rio café no barra shopping) e ela me enxotou de lá e me mandou para a outra matinê do outro shopping (cariocas: Slávia no New York city Center) que eram vizinhos. Eu entrei pela primeira vez em uma boate de verdade. As pessoas estavam fumando e se agarrando, só que estava meio vazia. Eu e minhas amigas entramos e eu estava deslumbrada. Olhava para os lados, não via nada direito. Foi nesse clima que a primeira pessoa a pedir para ficar comigo na vida chegou. Ele era feio e o recusei. Olhei para os lados e encontrei o cara por quem eu tinha uma queda enorme. Felipe o nome dele. Então uma das meninas que estavam comigo chegou saltitante para mim e falou “ga-a-a-a-bi! o andréééé quer ficar com você” e fazendo aquelas dancinhas de quem consegue algo legal para outra pessoa. Só tinha um problema: André? Quem era André. Ah! O promoter bacana. Tinha 14 anos. Era mais alto que eu, eu era da altura do peito dele. Então a gente conversou... ler mais
Página 30 de 41« Primeira...1020...2829303132...40...Última »

ADQUIRA O CD >>CLIQUE AQUI<<

lancarassim

 

 

 

 

 

Confira a playlist do CD e COMPARTILHE:

Sou escritora, terapeuta holística, facilitadora de processos de autoconhecimento e estou colocando “Ritmo” em meus escritos (Poesias) e fazendo um RaP disso tudo, um rap no estilo “zen vergonha”, risos.

Eu amo escrever e compartilho meus processos de evolução para que as pessoas se sintam inspiradas a correrem atrás de seus próprios sonhos.  Quando eu escrevo, exponho meu ponto de vista. Minha leitora ou meu leitor não necessariamente concorda comigo e, na verdade, concordar ou não é o que menos me importa.

Quando escrevo, estou fazendo uma terapia. Estou tirando algumas conclusões de assuntos que muitas vezes são inconclusivos. Conclusões essas que posso expandir ou até mudar a partir de uma nova informação ou experiência. Quando escrevo, estou racionalizando meus processos de autoconhecimento e conhecimento do mundo.

Quando eu disponibilizo o que estou escrevendo para que as outras pessoas possam ler, minha intenção é que, se sentirem no coração, reflitam sobre e tirem suas conclusões pelas próprias experiências!

Como terapeuta e facilitadora de processos de autoconhecimento, sou praticante da técnica de cura energética ThetaHealing e criei uma Oficina de Autoconhecimento. Essa Oficina tem uma metodologia exclusiva porque é do meu coração para o coração de vocês, eu mesma desenvolvi a partir de estudos de comunicação (sou formada em Jornalismo), cura energética e reprogramação mental (ThetaHealing e outras técnicas) –  então é bem especial mesmo <3

Essa metodologia chamada Sistema de Gerenciamento de Questões Pessoais propõe um novo olhar sobre um “problema” (questão), com foco na *solução*.

 

Paz e Luz

Nesta categoria, você encontrará textos sobre minha experiência com a espiritualidade. Como um Ser em evolução, faço aqui as reflexões sobre como me conectar com meu Eu superior e como posso ser uma pessoa melhor no meu cotidiano com minha família, amigos, desconhecidos e nas relações profissionais.

Esta categoria é muito mais genérica e estão os textos sobre comportamento, vegetarianismo e outras reflexões sobre o meu estilo de vida ideal.

Estilo de Vida

Esta categoria é muito mais genérica e estão os textos sobre comportamento, vegetarianismo e outras reflexões sobre o meu estilo de vida ideal.

A categoria mais antiga do blog! Em Crônicas você pode ler todos meus textos cheios de aventura, romance, reflexões e, claro, muito beijo na boca. Tudo escrito com muito carinho, cada crônica escrita no tom e no ritmo que achei coerente para o tema.

A categoria mais nova do site, criada em Julho de 2015.  Segundo Aristóteles, a catarse diz respeito à purificação das almas por meio de uma descarga emocional provocada por um drama. Neste espaço exponho porque eu me sinto purificada com algumas obras artísticas, por exemplo: músicas, longas ou curtas ou artes plásticas.

Catarses

A categoria mais nova do site, criada em Julho de 2015.  Segundo Aristóteles, a catarse diz respeito à purificação das almas por meio de uma descarga emocional provocada por um drama. Neste espaço exponho porque eu me sinto purificada com algumas obras artísticas, por exemplo: músicas, longas ou curtas ou artes plásticas.

Em Matérias, publico os textos jornalísticos que produzo de forma independente e livre. Os temas são os mais diversos, inspirados nos últimos acontecimentos ou de temas que são relevantes para mim. Alguns materiais são da época da faculdade em que guardo com muito carinho toda aprendizagem dessa importante fase da minha vida.

Essa categoria foi criada após eu conhecer o campo da manipulação de energia com o objetivo de curar minhas feridas emocionais e fisicas, sanando-as e desobstruindo meus centros de energia para que eu possa cumprir minha missão de forma mais saudável, feliz, em paz e com gratidão. Aqui compartilho o que aprendo.


Gabriela Pagliuca

aka/vulgo Gabitopia

Sou artista e facilito processo de autoconsciência. Alimento o Gabitopia, esse blog, há mais de 11 anos. Estudei e sigo estudando comunicação, facilitação de grupos e técnicas de cura a partir de manipulação de energia (holística).

Meu blog é onde está quase todo meu trabalho como escritora, para saber mais clique aqui. Para saber mais do meu trabalho como facilitadora de processos de autoconhecimento, acesse aqui.

Meu propósito é amar, dar amor e estar em paz. Aqui é meu lar virtual, uma ferramenta para eu cumprir meu papel!

Gosta do Gabitopia?

Faça uma Contribuição Voluntária

Para apoiar o Gabitopia e meu trabalho de forma geral, você pode contribuir no botão abaixo, com o valor que quiser. Se quiser fazer uma contribuição voluntária ou parceria recorrente (mensal, semestral, etc), entre em contato no gabitopia@gmail.com que podemos conversar melhor.

Agradeço muito a todos que já me apoiam, pois sem esse apoio não conseguiria!

Envie uma mensagem preenchendo o formulário:

gabitopia@gmail.com

w

(13) 981310537

whatsapp