Curriculum Vitae – Vale a pena ler!

             Quando será que eu comecei a ser tão segura de mim mesma em relação a minha vida sentimental? Hoje eu sou forte, há dois anos eu chorava por causa de amores, mas nada comparado à dor e a vontade de morrer das minhas primeiras rejeições. Sinais de maturidade.              Desde que descobri que meninas e meninos podem – e devem – se relacionar, tento ME relacionar com alguém, claro que só depois de batalhar muito, fui conseguir meus primeiros beijos de alguns meninos. Os beijos não foram muitos, os meninos menos ainda. Posso fazer uma média de três beijos por meninos, no começo de minha VSA*? Claro que posso, a historia é MINHA e eu faço a estatística que eu quiser nela.              Foi quando em uma viagem tola de escola que eu fiquei com o cara mais feio da minha vida inteira, sem sombra de dúvida, mas uma peça essencial para meus conhecimentos gerais: me fez perceber que eu não sabia beijar. Isso mesmo, eu não usava a língua e não colocava as mãos nos lugares certos (ainda não estou falando de mão boba), acho que eu deixava-as em cima das minhas pernas ou cruzava os braços, às vezes.              Depois de algumas dicas e exercícios teóricos e práticos, ganhei meu diploma de good-kisser e dispensei meu professor. Achei que estava na hora de conquistar o mundo. Decidi que precisava treinar e mostrar para todos o que eu tinha aprendido, foi quando de repente, realmente começou aparecer vários candidatos a cobaias,... ler mais

Ninfomaníaca?

                Nunca gostei tanto de joguinhos como ultimamente, gosto de ficar brincando de contar quantas pessoas no cursinho ou na Av. Paulista usam qualquer tipo de converse. Brinco de ser invencível quando um pivete tenta me assaltar e eu saio correndo, sem medo. Mas o que eu mais gosto, sem dúvida, é de fazer jogos sentimentais. Não estou dizendo de brincar com sentimentos alheios no sentido de magoar o outro ou usar, estou falando de brincar com todos os meus tipos de sentimentos: alegria, angústia, tristeza, esperança, saudade, só que eu sinto mais do que tudo isso, excitação.                 Se eu estou alegre e quero aproveitar o máximo da vida, não me satisfaço com karaokê, montanha russa ou pizza. Aliás, pode até ser que isso esteja envolvido, mas desde que no final, acabe na cama com cara do lado.                 Também ando um pouco angustiada e esse sentimento às vezes se transforma em tristeza, então tenho vontade de encontrar alguém para tentar me ajudar a fazer gozar da vida, para melhorar meu astral.                 Ás vezes, ao estar cheia de expectativas boas para o meu futuro brilhante como meus pais querem, procuro alguém para compartilhar essa esperança e ao deitar em seu peito para “brisar”, fazer planos sozinha, apenas eu e meus botões de minha calcinha. Mas quando a esperança desaparece, eu preciso mesmo é de alguém que me faça chegar ao fim do túnel, digo, enxergar a luz do fim do túnel.           ... ler mais

Por causa de ti, mulher.

Por que será que quando pensava em seus cabelos presos por uma presilha no formato de estrela, olhos cor de mel bem concentrado e sua fala interminável e aguda demais – como ele mesmo a descrevia – ele não conseguia prestar atenção em nada mais do que fazia? Ele estava distraído na frente de seu notebook, o nosso trabalho levava praticamente o mesmo tempo, em situações normais, mas naquela semana ele não estava concentrado, então sempre se atrasava com os prazos. Eu insistia para ele parar de pensar nela. Ele negava! O cara-de-pau me dizia que não estava pensando, mas como se precisasse dizer, as coisas que fazia o acusavam. Hoje ele me disse, em ocasião quase inédita, que estava esperando que ela ligasse pra ele. Mas sabe o que foi o fim da “picada”? Ele ter admitido que havia muita chance de ela não iria ligar. Ele já havia mandado duas mensagens de texto e estava esperando uma resposta dela, usava isso de argumento. Ele estava enlouquecendo, não era mais o mesmo. Nunca deixou de ligar para uma garota por medo. E também, nunca tínhamos deixado de tomar cerveja no fim do expediente por causa de mulher alguma, e foi isso quase que aconteceu. Eu disse quase por que se não fosse pela minha insistência, ele teria deixado nossa cerveja pra outro dia. O que estava acontecendo? Não era pra ser só sexo? Aliás, quantos anos aquela garota tinha mesmo? Era legalmente aceito eles estarem saindo? Ele não poderia ser preso? Quer saber mais um motivo para eu não estar nada feliz com essa situação? Ele era minha... ler mais

Maturidade sexual avançada

                Sempre fui do estilo carente, gostava de ter alguém me fazendo carinho – desde minha mãe até professora – e com a maturidade, descobri algo muito mais gostoso do que um simples, mas gostoso cafuné: sexo casual. Não só pelo ato sexual em si, mas por não ter que se envolver se um dos dois não quiser, pelo prazer de se sentir desejada e o mais legal que é não precisar ter um compromisso.                 É claro que se você está procurando um relacionamento sério, a maioria das coisas que eu vou dizer aqui pode parecer estúpida ou funcionar ao contrário do que deveria, mas mesmo assim, algumas dicas podem lhe ser úteis.                 A primeira coisa que uma mulher que atinge esse grau de maturidade deve fazer é ter em mente o tipo de homem que deseja, pode até ser mais de um tipo, mas ao ter isso definido, o resto flui e estaremos prontas para agir.                 De preferência esse tipo de mulher teria que ser mais discreta em momentos sociais, porém, em momentos íntimos se transformar em uma verdadeira deusa do amor, assim o homem se sente especial. O que é extremamente essencial que a mulher seja uma ótima amante, saiba tudo sobre sexo, deixe os homens se ajoelhando implorando mais. Todavia, experiência só vem com a prática, por isso, mão na massa, garota!                 Se você conhece muitos homens interessantes, mas não sabe como... ler mais

Uma geladeira

              Ele abriu a boca para falar alguma coisa, mas não deixei, ele fala muito sobre sentimentos, e eu não gosto de falar disso quando estou sem calças, se quisesse falar depois, eu falaria, mas naquele momento era até inconveniente. Já havia ensaiado esse discurso centenas de vezes, pra falar com pelo menos cinco pessoas diferentes e com ele consegui dizer, e muito bem.               Éramos amigos desde a época da escola, tínhamos muito respeito um pelo outro e não creio que perdemos ele em momento algum.               Não consigo entender por que os homens sempre acham que são eles que vão magoar as mulheres, como se nós não pudessem usá-los como eles nos usam.               Entretanto, comigo não existe isso de usar, pois tudo é feito com muito sentimento: a paixão efêmera que nasce na cama e morre no chuveiro quando a camisinha é jogada no lixo.               Enquanto tudo isso passava pela minha cabeça, eu ouvi uma explosão de prazer que me vez lembrar que eu estava com ele em cima de mim, o que me fez pensar mais ainda em como eu estava ficando fria e insensível. “Precisamos fazer isso mais vezes” ele disse colocando a calça.... ler mais

Várias Grandes Surpresas

Atualização 2016: nessa crônica, a personagem faz tudo porque quer, tudo consentido. Meu sábado tinha sido o tempo inteiro ouvindo as velhas falarem da vida dos outros, de como as “crianças” – eu e meus primos – estavam crescidos etc. e tal. Quando aquilo tudo me deu nos nervos, saí de casa. Peguei o carro do meu primo e fui, sem falar pra minha mãe, por que ela não sabe que eu sei dirigir nem, muito menos, que ele me empresta. Estava no começo da noite, o sol começou a sumir, eu cheguei na casa de um dos meus amigos da época da pré escola em dez minutos, ou menos. Eu estava como em todos os outros dias, a única diferença é que eu estava um pouco carente e mais magra três quilos. Como sempre, fui entrando e subindo em seu quarto, lugar onde fazíamos nossas reuniões desde os 10 anos de idade, mais ou menos, quando passamos a realmente fazer reuniõezinhas. Ao entrar cumprimentei todos do quarto: cinco, ao total. Três deles, os amigos de sempre. Um deles conhecia há pouco tempo e o outro era novo, nunca tinha visto. O quarto cheirava aquele cigarro Djarum Black, nem sei onde eles arrumam tanto dinheiro para comprar um maço desses. Todos estavam embriagados, menos o novato, e o que mais me impressionou, nisso tudo, é que o único que me chamou atenção foi ele, pois me beijou a boca e passou a mão nos meus peitos ao me cumprimentar. Babaca! Quando vamos ter respeito de nossos amigos? Na verdade, me chamou atenção por 0,5 segundo, por que logo depois... ler mais

Tudo em Família

Eu estava sentada na minha mesa de secretária, entre um atendimento e outro, a filha de minha patroa chegou ao escritório, muito nervosa, andava de um lado para outro, roendo unhas e quando finalmente se sentou, não parou de bater os pés no chão de madeira, além de toda a agitação corporal, murmurava algum discurso para ela mesma. Todos no escritório sabíamos do caso que ela teve com um dos estagiários, um belo rapaz de olhos claros e cabelo preto, mas ela nunca vinha procurá-lo aqui, em seu local de trabalho. Ela estava mais arrumada do que costumava aparecer ali, com cabelos presos no alto da cabeça, óculos escuros e botas de salto alto. Enquanto ela respirava ofegante na recepção, eu percebi um movimento na porta da sala do cara: os outros funcionários estavam atentos na conversa que acontecia lá dentro, tratei de disperçá-los e foi aí que a moça entrou sem ser anunciada e em silêncio. Somente eu que estava por perto notei sua face de uma mulher de 25 anos se transformar, junto com suas outras tantas expressões, em uma adolescente de coração partido. Sua boca vermelha se contorceu e seus olhos se fecharam, ela começou a respirar absolutamente o necessário, e cada palavra que ouvia seu rosto ia ficando mais encharcado de lágrimas e borrado de maquiagem. Ao perceber a presença de sua filha, a mãe, sem entender muito bem o desespero da menina, foi acudi-la, me pediu para ir buscar um copo de água com açúcar, e os ânimos começaram a acalmar. Quando eu estava saindo, ouvi a conversa inteira: a moça está grávida do... ler mais

Só por relatos.

Houve um acontecimento hoje antes de chegarmos ao curso, foi algo envolvendo uma menina, um farol vermelho e um menino num “skate”. Só consigo imaginar pelos relatos: o farol dos pedestres estava piscando para vermelho, a menina parou e o rapaz, em cima de seu skate, deslizando na rua molhada chegou a desviar dela, para parar ao seu lado, mas nessa hora, ela deu um passo para o lado. Imagino que tenha sido um atropelamento cômico, ela caiu em cima dele, ele ficou preocupado, mas não conseguiu segurar a gargalhada, os dois ficaram se olhando e estavam ensopados e estendidos no chão, tentando se levantar. Ele só conseguia dizer: desculpa-me, não consegui parar. Depois do vexame, pude me levantar com ajuda do cara, eu fiquei toda dolorida, mas tudo aconteceu tão rápido e foi tão vergonhoso, que eu não consigo me lembrar como foi. Só soube do que aconteceu comigo depois que me... ler mais

Mania de rico?

Na criação dos filhos vale tudo para tentar acertar, mas não são todos os pais que sabem o que fazer e acabam exagerando ou na liberdade ou na rigidez. Como se não conhecessem seus filhos, sem lhes dar a atenção e muitas vezes com outras prioridades, não percebem o que eles estão fazendo, e acabam deixando os jovens fazerem o que querem. Vemos, sim, pessoas de todas as classes praticando crimes, mas alguns jovens de classe média alta cometem algumas barbáries simplesmente por não terem mais nada para fazer, e isso é, de certa forma, o mais revoltante. Já diz o ditado:“cabeça vazia é a casa do diabo”, e comprovamos isso quando lembramos, não faz muito tempo, de um grupo de jovem entre 19 e 21 anos, assaltaram e espancaram uma empregada doméstica. Eles disseram tê-la confundido com uma prostituta. Será que se ela fosse mesmo garota de programa eles estariam sendo justos machucando-a? Não. Ela era uma pessoa indefesa, parada no ponto de ônibus. Era ela sozinha contra alguns covardes, sem medo da punição – inexistente – do Brasil. Não existem só os pais ruins, existem os que estão presentes, sempre em contato com filhos, realmente se importam e dão bons exemplos, então o jovem acaba se intimidando em fazer “coisas erradas”, para não decepcioná-los, não magoá-los. Por existir um laço entre eles e, é claro, muita conversa o limite naturalmente se estabelece. Mas nem todos os pais são bons exemplos ou, se são, estão ausentes, e até consideram os adolescentes um de seus problemas. Sempre faltará algo para os filhos, muitas vezes esses jovens fazem coisas erradas... ler mais

O café nosso de cada dia

Estar nos nossos planos dormir cedo não se concretiza: sempre há algo que nos mantém acordados, e no dia seguinte, de manhã, seria necessário um estimulante para não cochilarmos em horas impróprias. Segunda de manhã, frio de inverno rigoroso, sua cama quentinha e… o despertador toca e por sermos responsáveis, esforças e praticamente galos cantantes, pulamos da cama para tomar um café-da-manhã reforçado, ao olhar na prateleira, percebe-se que não há pó de café! Sem desespero, todo comércio vende café, a lanchonete da faculdade vende, a padaria do lado de casa também e na sala do chefe tem dos fortes. Depois de galões de café, muito estimulado e animado, vai trabalhar e estudar bastante e vai render. Tudo isso é bom e saudável, mas agora te pergunto: e-se-eu-não-gosto-de-CAFÉ? Coca cola de manhã, diz o senso comum, que não faz bem. Adoraríamos um energético ou um pó de guaraná, mas isso é muito mais caro do que copos de café. Ser uma não-adepta ao café pode se tornar um transtorno na vida das pessoas, ou no mínimo para seu bolso, pergunte na sua padaria ou lanchonete se eles têm, por exemplo, chá mate ou preto? Tem cafeína e nos mantém quentinho se servido quentinho. Essa é a minha proposta de hoje: vamos levantar a bandeira pró chá mate nos lugares que vendem cafezinho, afinal, nem todo mundo gosta de café. Bandeiras: Essa…: Queremos o poder da escolha: Café ou Mate Ou ainda: NÃO a NÃO ter mate no lugar de café Ou, por último, a que eu mais gosto: Diga NÃO ao monopólio do café como estimulante... ler mais
Página 30 de 36« Primeira...1020...2829303132...Última »

Gabriela Pagliuca é Gabitopia

Sou escritora, terapeuta holística, facilitadora de processos de autoconhecimento e estou colocando “Ritmo” em meus escritos (Poesias) e fazendo um RaP disso tudo, um rap no estilo “zen vergonha”, risos.

Eu amo escrever e compartilho meus processos de evolução para que as pessoas se sintam inspiradas a correrem atrás de seus próprios sonhos.  Quando eu escrevo, exponho meu ponto de vista. Minha leitora ou meu leitor não necessariamente concorda comigo e, na verdade, concordar ou não é o que menos me importa.

Quando escrevo, estou fazendo uma terapia. Estou tirando algumas conclusões de assuntos que muitas vezes são inconclusivos. Conclusões essas que posso expandir ou até mudar a partir de uma nova informação ou experiência. Quando escrevo, estou racionalizando meus processos de autoconhecimento e conhecimento do mundo.

Quando eu disponibilizo o que estou escrevendo para que as outras pessoas possam ler, minha intenção é que, se sentirem no coração, reflitam sobre e tirem suas conclusões pelas próprias experiências!

Como terapeuta e facilitadora de processos de autoconhecimento, sou praticante da técnica de cura energética ThetaHealing e criei uma Oficina de Autoconhecimento. Essa Oficina tem uma metodologia exclusiva porque é do meu coração para o coração de vocês, eu mesma desenvolvi a partir de estudos de comunicação (sou formada em Jornalismo), cura energética e reprogramação mental (ThetaHealing e outras técnicas) –  então é bem especial mesmo <3

Essa metodologia chamada Sistema de Gerenciamento de Questões Pessoais propõe um novo olhar sobre um “problema” (questão), com foco na *solução*.

Estou produzindo meu primeiro álbum de música como Gabitopia e logo tratei novidades <3

 

Paz e Luz

Nesta categoria, você encontrará textos sobre minha experiência com a espiritualidade. Como um Ser em evolução, faço aqui as reflexões sobre como me conectar com meu Eu superior e como posso ser uma pessoa melhor no meu cotidiano com minha família, amigos, desconhecidos e nas relações profissionais.

Esta categoria é muito mais genérica e estão os textos sobre comportamento, vegetarianismo e outras reflexões sobre o meu estilo de vida ideal.
Estilo de Vida

Esta categoria é muito mais genérica e estão os textos sobre comportamento, vegetarianismo e outras reflexões sobre o meu estilo de vida ideal.

A categoria mais antiga do blog! Em Crônicas você pode ler todos meus textos cheios de aventura, romance, reflexões e, claro, muito beijo na boca. Tudo escrito com muito carinho, cada crônica escrita no tom e no ritmo que achei coerente para o tema.

A categoria mais nova do site, criada em Julho de 2015.  Segundo Aristóteles, a catarse diz respeito à purificação das almas por meio de uma descarga emocional provocada por um drama. Neste espaço exponho porque eu me sinto purificada com algumas obras artísticas, por exemplo: músicas, longas ou curtas ou artes plásticas.
Catarses

A categoria mais nova do site, criada em Julho de 2015.  Segundo Aristóteles, a catarse diz respeito à purificação das almas por meio de uma descarga emocional provocada por um drama. Neste espaço exponho porque eu me sinto purificada com algumas obras artísticas, por exemplo: músicas, longas ou curtas ou artes plásticas.

Em Matérias, publico os textos jornalísticos que produzo de forma independente e livre. Os temas são os mais diversos, inspirados nos últimos acontecimentos ou de temas que são relevantes para mim. Alguns materiais são da época da faculdade em que guardo com muito carinho toda aprendizagem dessa importante fase da minha vida.

Essa categoria foi criada após eu conhecer o campo da manipulação de energia com o objetivo de curar minhas feridas emocionais e fisicas, sanando-as e desobstruindo meus centros de energia para que eu possa cumprir minha missão de forma mais saudável, feliz, em paz e com gratidão. Aqui compartilho o que aprendo.

Gabriela Pagliuca

 

Sou escritora e atendo como terapeuta holística. Alimento o Gabitopia, esse blog, há mais de 10 anos. Estudei e sigo estudando comunicação, facilitação de grupos e técnicas de cura a partir de manipulação de energia (holística).

Meu blog é onde está quase todo meu trabalho como escritora, para saber mais clique aqui. Para saber mais do meu trabalho como terapeuta, acesse aqui.

Meu propósito é amar, dar amor e estar em paz. Aqui é meu lar virtual, uma ferramenta para eu cumprir meu papel!

Gosta do Gabitopia?

Faça uma Contribuição Voluntária

Para apoiar o Gabitopia e meu trabalho de forma geral, você pode contribuir no botão abaixo, com o valor que quiser. Se quiser fazer uma contribuição voluntária ou parceria recorrente (mensal, semestral, etc), entre em contato no gabitopia@gmail.com que podemos conversar melhor.

Agradeço muito a todos que já me apoiam, pois sem esse apoio não conseguiria!

Envie uma mensagem preenchendo o formulário:

gabitopia@gmail.com

w

(13) 981310537

whatsapp