Sobre amor incondiconal

Começo com minha conclusão: não é porque você não reconhece o amor incondicional que ele não exista em você ou que ele não exista por si só. No sábado passado falei com minha família sobre amor incondicional. Não sei se me fiz entender, pois alguém me disse: “você ama, mas se a pessoa te faz alguma coisa, você deixa de amar”. Dois dias depois, vi que naquele mesmo dia uma pessoa fizera um comentário em um texto meu sobre perdão. Concordou que perdoar era importante, mas seu comentário foi para expressar que era exagero dizer sobre “amar incondicionalmente”, dizendo que “amar de forma incondicional” chega a ser deboche com quem sofreu a agressão e que isso era hipocrisia. Além disso, expressou que de hipocrisia estava farta, dando a entender que não gostara do que eu escrevi. Justo, ela está no direito dela e eu, sinceramente, gostei muito do que ela escreveu. Afinal, quanta sincronia: naquele mesmo dia eu falar sobre amor incondiconal com meus familiares e, sem eu saber, algumas horas antes ter recebido esse comentário. Porém, nessas duas situações parece que as pessoas não reconhecem esse amor incondicional. Reconhecem apenas uma afinidade, um amor humano, um carinho. Não digo que não conhecem, apenas não pararam, talvez, para resgatar esse sentimento tão belo dentro de si, por, talvez, nunca terem sido provocados a isso, por nunca terem sentido essa necessidade. Repito e repetirei algumas vezes essa minha visão: não é porque alguém não reconhece esse amor incondiconal, que ele não exista por si ou que ninguém pode sentir. Não tenho filhos, mas pelo que dizem, o amor de uma mãe... ler mais

Orgânica

Somos seres orgânicos, vivos. Somos parte da natureza, embora nossa mente minta e nos dê a ilusão de que não, não somos. Por alguma razão, temos essa consciência que nos faz viver de forma diferente do restante da natureza. Nós criamos, montamos, abstraimos, temos memórias do passado e projetamos o futuro. Temos consciência e um ego. Um ego que nos ilude, nos faz crê que somos algo diferente da natureza. Somos energia condensada, assim como o resto da natureza, mas nos julgamos melhores porque possuímos uma mente. A mente, mente. Não somos melhores. Estamos em uma etapa da evolução cósmica. Somos uma coisa só com a ilusão da separação para expandir a consciência. Para conhecer os opostos, para conhecer a dualidade. Só de nós atentarmos a isso, já podemos evoluir. Nosso ego é de um ser vivo e um dia vai morrer. Porém também somos energia infinita e eterna. Essa sim, nunca vai desaparecer. Essa não tem nome, não tem idade, raça ou religião. É a energia do amor. Vamos voltar todos de onde viemos, um dia, quando já tivermos aprendido tudo que precisaríamos aprender. Sejamos conscientes que somos orgânicos. Porque não temos essa consciência ainda. Acreditamos que somos máquinas indestrutíveis, esquecendo-nos de que a impermanência é o que nos faz perfeitos.  Não é de se estranhar tanto incômodo nessa vida quando nos colocamos em posição de robôs que servem à sociedade, nos prendendo em grades e artificialidades – ao invés de apenas ser. Ser humano, ser amor. Por alguma razão, temos a capacidade de criar coisas e nossa realidade, mas o desconforto crônico talvez queira nos mostrar que... ler mais

A crise me pegou e joguei a culpa no PT

Às vezes, para expandir nossa consciência, precisamos ir à lugares sombrios, nos colocar em posições desconfortáveis. Hoje você vai saber o que aconteceu quando eu parei de brincar do jogo do contente de Pollyana e comecei a brincar de “do contra” (em relação ao que eu  acredito), colocando a responsabilidade da minha “crise pessoal” no governo, adorando permanecer na merda quentinha de uma vida mais ou menos. Aviso: esse texto pode fazer você querer sair da cadeira de vítima, assumir responsabilidade pela felicidade e mudar sua vida! Dias desses, no auge da minha arrogância, ao meditar, tive medo de me iluminar. Estava na praia e tinha acabado de limpar e energizar meus chakras, me sentia leve e com a sensação de que eu poderia dominar o mundo, no bom sentido – como se eu pudesse voar ou salvar todas as pessoas vivas e não vivas. Meu chakra do terceiro olho estava latejando e entrei em contato com meus mentores pela primeira vez com o discernimento de que eram eles e não apenas minha imaginação. Quando percebi que esse medo de me iluminar existia, entrei em meditação em busca da cura, aplicando o thetahealing. A princípio, veio foi minha prepotência – tô me achando iluminada? Ainda estou longe, minhas limitações do ego são muitas. Eu ainda tenho minhas crenças para trabalhar. As coisas acontecem em seu devido tempo e a iluminação, só de existir o medo, já não me era uma possibilidade próxima. De qualquer forma, com o terceiro olho apitando, meus mentores se apresentando e minha busca pela cura e me perguntei: qual o pior de ser iluminada? Por... ler mais

Geração Gratidão: filhos de 2012

Refletindo sobre minha saúde, notei que depois que eliminei o máximo de energia negativa da minha vida, passei a ser mais conscientemente grata e mudei minhas crenças, minha saúde melhorar muito. Se liga nesse processo.  Hoje, no terceiro de 28 dias de gratidão em vídeo, compartilhei um exercício para dar graças à nossa saúde. Enquanto eu lia o capítulo, lembrei que há alguns anos eu era bem mais frágil, visitava todos os meses o hospital. Ano passado, porém, eu fui apenas uma ou duas vezes, e nem era nada grave. Comecei a refletir o que tinha mudado de lá pra cá. Em 2011, eu tinha apenas 23 anos, mesmo vegetariana eu estava com quase 80kg, tive ataques furiosos de gastrite, estresse, tive ataques de pânico, tinha depressão, não conseguia parar um minuto e minha energia estava indo embora, além disso, fui diagnosticada portadora de TDAH (e depois bipolaridade). Ou seja, eu estava com zero saúde, física, mental e espiritual. E eu tinha hábitos terríveis. Por exemplo, uma coisa que as pessoas que me conhecem há pouco tempo não sabem é que eu era fanática por futebol. Eu era corinthiana roxa, ia aos jogos sozinha, acompanhava as partidas pela rádio online e tudo mais. Eu estava totalmente identificada como torcedora, achava que eu era aquilo e queria fazer parte daquele grupo  (talvez pra impressionar ou provar algo para os boys-magia). Eu deixava a paixão pelo futebol mandar em mim e cheguei a ter gastrite nervosa num jejum de vitórias do meu time. Você acha certo isso?  Eu não. Por isso resolvi mudar. Eu estava perdida, mas me encontrei ouvindo meu corpo, procurando... ler mais

Movimentos sociais e desenvolvimento pessoal

Meu objetivo nesse texto é instigar uma reflexão para saber o ponto que estamos de nosso desenvolvimento pessoal e quais são nossas limitações para uma verdadeira mudança social. Meu objetivo não é obrigar ninguém aqui a levantar bandeiras e ser militante de causas sociais, é apenas mais uma reflexão sobre sociedade e espiritualidade, pela expansão da consciência. Acredito que a reflexão vale a pena, embora realmente não tenha uma resposta concreta para nenhum problema. Quando mergulhamos em uma jornada de autoconhecimento e espiritualidade em busca do desenvolvimento pessoal, podemos nos afastar ou ignorar uma realidade social muito presente em nossos dia-a-dia: a opressão sofrida por grupos específicos. É muito comum, por exemplo, quando eu falo sobre feminismo, as pessoas dessa comunidade mais “espiritualizada” acharem que eu estou falando a partir de uma mulher ferida, cheia de limitação do ego e que meus argumentos partirão de raiva e nojo de homem. Não. Tenho, sim, minhas limitações, mas estou falando de feminismo através de uma consciência de quem já passou por problemas relacionado a questões de gênero, que se curou e quer ajudar, com essa experiência, na cura de outras pessoas e da sociedade. Algumas pessoas agem como se eu não conseguisse enxergar que “somos todos um” e que não precisamos brigar, podemos viver em paz. Lógico que sei disso, é a premissa que sigo ao ser simpatizante de movimentos. Quem oprime é que não sabe – ou esquece pelo seu próprio benefício – e acredito que nossa função é tentar expandir nossa consciência. Com amor, compaixão e resiliência – meditando e conversando. Assim é com política e outros temas sociais: polêmicos demais... ler mais

Oxalá – Braza

A Forfun acabou, mas três de seus integrantes formaram a banda Braza, um novo projeto que eu já estou amando. Não são letras na pegada do Polisenso, que é o trabalho deles que eu mais gosto, mas as letras estão bem maduras, cheias vida e crítica social – o que eu adoro. Tem também uma parcela de misticismo e, sim, me fez pensar e escrever sobre. Essa é uma música que me lembra a importância do autoconhecimento e fé. A música é complexa, então aviso de textão! Oxalá – Braza   Subi a escadaria para me benzer E pedi ajuda para Oxalá Consultei os astros para entender Lua cheia, eu me batizei no mar (Pra mim, um ritual. Não necessariamente um ritual que sempre acontece, mas também não necessariamente pontual. Achei lindo esse refrão. Muito místico, espiritual. Quando não temos mais respostas para nossas perguntas mundanas, não deveria ser vergonha nenhuma recorrer a fé. Até porque, é melhor ser feliz tendo fé, acreditando em algo que a sociedade pode julgar “bobo”, do que ser infeliz, permanecer perdido e com graves crises existenciais. De acordo com o livro Para conhecer a Umbanda, de Ademir Barbosa Jr., que li ano passado, Oxalá é o Orixá maior, responsável pela criação do mundo e do homem, e é pai de todos os outros Orixás – que é divindade que habita a cabeça, na tradução que aponta o autor. Oxalá velho é sincretizado com Deus cristão e Oxalá novo com Jesus Cristo. Oxalá, ainda segundo o livro, representa sabedoria, serenidade, pureza do branco e o respeito. Seja qual for a crença, peça que será atendido.)... ler mais

Minha História, meu Caminho

Desde que saí da escola e vim para o “mundão” tenho buscado e me preparado para cumprir minha missão de vida. Escrever e compartilhar meus processos é muito gratificante, e ter descoberto meu lado curadora, me faz cada vez mais ser feliz. Conheça minha História. Sempre quis salvar o mundo. Essa era minha angústia da vida, porque eu via as coisas feias acontecendo, e não podia fazer nada. Nunca achei graça em injustiça e competição, nunca quis participar disso, me sentia deslocada. Eu até fiz, pensando em retrocesso, bastante inimizade por isso. Eu queria ser autêntica, sabe? Como todo ser humano, claro, inserida na matrix, caí e caio nas “tentações mundanas” – sem moralismo, apenas forma de falar. Ou seja, tenho apego, julgo, tenho raiva e me desconecta com a paz – sou um ser humano dual. Hoje sou emocionalmente estável, mas nem sempre foi assim. Quando mais nova, canalizava meus sentimentos escrevendo, desde que me lembro, em agendas e cadernos. Aos 17 anos, comecei a publicar meus textos online – quase todos estão nesse blog. Aliás, é uma ótima forma de acompanhar meu próprio caminho. Vivia, como diz uma amiga da época do colégio, num mundinho meu. No Gabitopia. Meu mundo era cor de rosa e tocava Sandy e Junior. Mas, de alguma forma, naquela época, eu ainda queria me encaixar nas coisas normais. Algo que parecia normal para as pessoas, era desconfortável pra mim e eu não sabia porquê. Meu “despertar” Foi com 20 anos, em 2008, que comecei a perceber a vida de outra forma – uma forma que exige certa atenção, pois não é o... ler mais

Zona de(s)Conforto do Brasil

Estamos passando por um momento muito delicado em nosso País, desde quando os portugueses chegaram. Com as tecnologias e consciência da sociedade brasileira, no entanto, é importante estarmos atentos para fazer as coisas no paradigma do amor. E isso está longe de ser um papo apenas filosófico, pode ser bem prático. Brasil: será que agora vamos sair dessa zona de conforto, que já está bem desconfortável? Quem tem medo de ideia nova? Conservadores. Por que? Porque as antigas ideias e comportamentos lhes servem de algo. Funciona igual em âmbito pessoal. Se liga: quem tem medo de sair da zona de conforto? Todos a quem sua zona de conforto ainda serve! Quando nos livramos do que não serve mais? Usando nossa bússola interna: se algo nos incomoda profundamente, procuramos novas opções. Mas, sem expandir a consciência, sem olhar para um panorama maior, nos fechamos para nossas necessidades pessoais, ao invés de votarmos pelo interesee público. O problema é que somos manipulados pela mídia, que é de onde achamos que estamos sendo informados. Que tal refletir por si, não é? Quem são os conservadores políticos e econômicos, que se beneficiam do sistema? A quem esse sistema opressor e violento está servindo? Confesso que nunca li aquele livro “Como ser um Conservador”, estou apenas propondo uma nova perspectiva e reflexão. Será você um conservador consciente e está de boa com o caos do Brasil, ou é conservador porque está na zona de(s)conforto? História do Brasil A quem um sistema, que se livrou da escravidão há apenas 128 anos, está servindo? Após séculos de escravidão, houve uma transição para assalariados. Imigrantes como meus... ler mais

Uma por todas

Algumas pessoas acreditam  que feminismo é uma luta para mulher ser melhor que o homem. Outras não gostam da abordagem radicais dos movimentos. Na verdade, falta vontade de ouvir outros pontos de vista, pois o feminismo é a consciência de que mulher merece respeito e ter os mesmos direitos do homem. O meu feminismo é no paradigma do amor e nesse texto explico o que isso significa. O Gabitopia não é um blog sobre feminismo, mas sobre meus processos de desenvolvimento pessoal. Como mulher, o feminismo é parte de mim e dos meus processos, então ele está aqui e no meu Facebook com certa frequência. Acontece que eu tenho escrito que eu sou a favor do “feminismo no paradigma do amor” e quero falar sobre isso. O último post, um manifesto no dia da luta da mulher, me empoderou muito. Falei muito sobre problematizar as questões sociais a partir de nosso espírito e menos com nosso ego. O título, inclusive é “Feminismo no paradigma do amor, porra”. No entanto, fiquei pensando muito sobre esse termo que ano usando “feminismo no paradigma do amor”, como se eu fosse contra o resto do movimento feminista. Não sou. Sou a favor de todo tipo de feminista, das mais radicais até as que nem sabem que são feministas, ou das que realmente não são (existe?). Sou a favor da expressão da mulher da forma que ela se sentir segura e motivada (menos com violência, violência eu não gosto e movimentos violentos e “anti-homem” eu estou desconsiderando, por favor, faça isso também). O que eu quero dizer, então, quando falo sobre feminismo no paradigma do amor? Eu só quero, cada... ler mais

Feminismo no paradigma do amor, porra

Com meu histórico de trabalhos sociais, fico bastante inquieta quando, nas comunidades espirituais, pouca gente fala sobre questões sociais, como se fossem tabu. A princípio, compreendo que a espiritualidade, por ser algo individual, tem uma abordagem para evolução pessoal. Porém, a sociedade é feita de grupos de pessoas e, por isso, proponho aqui um debate sobre questões sociais e políticas, no paradigma do amor. Dia 8 de março é dia da luta pela igualdade e liberdade da mulher – e eu não poderia deixar de falar sobre isso. Recebi muitas mensagens de “feliz dia da mulher” em grupos (graças as Deusas, nenhuma marcação de homens x) e, mesmo problematizando nas redes sociais, procurei agir mais pelo espírito do que pelo ego e procurei lições em quaisquer “provocações” que posso ter atraído para meu dia, com gratidão. Então meditei sobre tudo que ando passando e deu nisso aqui, um manifesto sobre a importância da problematização de questões sociais para mudança, mesmo na comunidade espiritual. Eu sou mulher e hoje, dia oito de março, venho pedir, “por gentileza” (se não ☆☆sou radical☆☆), alguns de meus direitos. Eu só quero andar na rua sozinha sem que me assediem. Quero ter certeza que minhas manas vão voltar seguras para casa mesmo de shortinho (porque aqui tá quente pra porra) e que minhas sobrinhas não sejam objetificadas na rua só por existirem. Quero que a moça da loja não seja espancada pelo marido e que minha amiga engenheira seja reconhecida pela genialidade dela. E, pra fechar a lista de hoje, quero muito que a menina da favela possa fazer um aborto seguro se ela... ler mais
Página 5 de 36« Primeira...34567...102030...Última »

Gabriela Pagliuca é Gabitopia

Sou escritora, terapeuta holística, facilitadora de processos de autoconhecimento e estou colocando “Ritmo” em meus escritos (Poesias) e fazendo um RaP disso tudo, um rap no estilo “zen vergonha”, risos.

Eu amo escrever e compartilho meus processos de evolução para que as pessoas se sintam inspiradas a correrem atrás de seus próprios sonhos.  Quando eu escrevo, exponho meu ponto de vista. Minha leitora ou meu leitor não necessariamente concorda comigo e, na verdade, concordar ou não é o que menos me importa.

Quando escrevo, estou fazendo uma terapia. Estou tirando algumas conclusões de assuntos que muitas vezes são inconclusivos. Conclusões essas que posso expandir ou até mudar a partir de uma nova informação ou experiência. Quando escrevo, estou racionalizando meus processos de autoconhecimento e conhecimento do mundo.

Quando eu disponibilizo o que estou escrevendo para que as outras pessoas possam ler, minha intenção é que, se sentirem no coração, reflitam sobre e tirem suas conclusões pelas próprias experiências!

Como terapeuta e facilitadora de processos de autoconhecimento, sou praticante da técnica de cura energética ThetaHealing e criei uma Oficina de Autoconhecimento. Essa Oficina tem uma metodologia exclusiva porque é do meu coração para o coração de vocês, eu mesma desenvolvi a partir de estudos de comunicação (sou formada em Jornalismo), cura energética e reprogramação mental (ThetaHealing e outras técnicas) –  então é bem especial mesmo <3

Essa metodologia chamada Sistema de Gerenciamento de Questões Pessoais propõe um novo olhar sobre um “problema” (questão), com foco na *solução*.

Estou produzindo meu primeiro álbum de música como Gabitopia e logo tratei novidades <3

 

Paz e Luz

Nesta categoria, você encontrará textos sobre minha experiência com a espiritualidade. Como um Ser em evolução, faço aqui as reflexões sobre como me conectar com meu Eu superior e como posso ser uma pessoa melhor no meu cotidiano com minha família, amigos, desconhecidos e nas relações profissionais.

Esta categoria é muito mais genérica e estão os textos sobre comportamento, vegetarianismo e outras reflexões sobre o meu estilo de vida ideal.
Estilo de Vida

Esta categoria é muito mais genérica e estão os textos sobre comportamento, vegetarianismo e outras reflexões sobre o meu estilo de vida ideal.

A categoria mais antiga do blog! Em Crônicas você pode ler todos meus textos cheios de aventura, romance, reflexões e, claro, muito beijo na boca. Tudo escrito com muito carinho, cada crônica escrita no tom e no ritmo que achei coerente para o tema.

A categoria mais nova do site, criada em Julho de 2015.  Segundo Aristóteles, a catarse diz respeito à purificação das almas por meio de uma descarga emocional provocada por um drama. Neste espaço exponho porque eu me sinto purificada com algumas obras artísticas, por exemplo: músicas, longas ou curtas ou artes plásticas.
Catarses

A categoria mais nova do site, criada em Julho de 2015.  Segundo Aristóteles, a catarse diz respeito à purificação das almas por meio de uma descarga emocional provocada por um drama. Neste espaço exponho porque eu me sinto purificada com algumas obras artísticas, por exemplo: músicas, longas ou curtas ou artes plásticas.

Em Matérias, publico os textos jornalísticos que produzo de forma independente e livre. Os temas são os mais diversos, inspirados nos últimos acontecimentos ou de temas que são relevantes para mim. Alguns materiais são da época da faculdade em que guardo com muito carinho toda aprendizagem dessa importante fase da minha vida.

Essa categoria foi criada após eu conhecer o campo da manipulação de energia com o objetivo de curar minhas feridas emocionais e fisicas, sanando-as e desobstruindo meus centros de energia para que eu possa cumprir minha missão de forma mais saudável, feliz, em paz e com gratidão. Aqui compartilho o que aprendo.

Gabriela Pagliuca

 

Sou escritora e atendo como terapeuta holística. Alimento o Gabitopia, esse blog, há mais de 10 anos. Estudei e sigo estudando comunicação, facilitação de grupos e técnicas de cura a partir de manipulação de energia (holística).

Meu blog é onde está quase todo meu trabalho como escritora, para saber mais clique aqui. Para saber mais do meu trabalho como terapeuta, acesse aqui.

Meu propósito é amar, dar amor e estar em paz. Aqui é meu lar virtual, uma ferramenta para eu cumprir meu papel!

Gosta do Gabitopia?

Faça uma Contribuição Voluntária

Para apoiar o Gabitopia e meu trabalho de forma geral, você pode contribuir no botão abaixo, com o valor que quiser. Se quiser fazer uma contribuição voluntária ou parceria recorrente (mensal, semestral, etc), entre em contato no gabitopia@gmail.com que podemos conversar melhor.

Agradeço muito a todos que já me apoiam, pois sem esse apoio não conseguiria!

Envie uma mensagem preenchendo o formulário:

gabitopia@gmail.com

w

(13) 981310537

whatsapp