Essa categoria é bem genérica e diz respeito, de modo geral, às minhas reflexões sobre o meu estilo de vida ideal.

Ego Espiritual: uma santa nervosinha?!

Nos últimos tempos, algumas pessoas questionaram se eu ser “espiritualista” e “feminista” ao mesmo tempo não seria uma contradição. Bem… Sim! Talvez, aos olhos treinados, condicionados e cheios de esteriótipos, seria uma contradição eu ser alguém que “odeia homens e acha que as mulheres devem dominar o mundo” versus uma “Santa que aceita tudo o que lhe acontece, incluindo agressões físicas e psicológicas, com extrema paciência”. Para essas pessoas, por eu ser espiritualista, deveria ser imune de opressões e sofrimento, e apenas ficar rezando por melhorias e agradecendo meus privilégios. Enquanto uma feminista sairia às ruas pedindo morte a todos os homens. Mas não, por incrível que pareça, eu me dou o direito de ir contra os esteriótipos que querem perpetuar dessas duas características que nessa vida me faz ser o indivíduo que sou. Sou feminista, sim. Sou espiritualista, também. Uma coisa não anula a outra, ao contrário, me fortalece e eu sou livre pra viver a vida como quero e, mesmo que questionem a legitimidade disso tudo, eu sou livre pra ser quem eu quero ser – mesmo que, para preconceituosos, eu pareça hipócrita. Então, resumindo: não! Não é contradição ser espiritualista e feminista ao mesmo tempo. Bem, na verdade, ser feminista só significa que eu percebo (na pele) a opressão que mulheres sofrem diariamente, percebo que existem atitudes que fazem com que as mulheres sejam diminuídas perante a sociedade e entendo que isso tudo é uma construção muito sutil, embora estrutural. O feminismo me faz enxergar tudo isso com muito mais clareza e também me traz a possibilidade de trabalhar em cima disso por uma mudança, ainda...

Poema pronto para piadas infames

Já sei que serei chamada de dramática Mas hoje ouvi que mulher é igual a matemática: tem muitos problemas, tem suas regras e ninguém entende mas é claro que apenas brincar é o que se pretende Estamos cansadas. Cansadas de após toda piada dar o mesmo aviso: cuidado quando se expressar a fim de arrancar riso. Pra quem tudo isso tem graça? Só pra quem não tem medo de no escuro andar na praça. Todos possuem feridas emocionais E mesmo como seres racionais, tem vezes que não podemos evitar, dá vontade de gritar: ELEMENTOS EXTERNOS ACIONAM, SIM, NOSSOS GATILHOS! É difícil amar ao próximo como uma mãe ama a todos os seus filhos? Pra quê cutucamos tanto a ferida de terceiros se nem ao menos nós estamos inteiros? Pra que ainda geramos tanta dor, se sabemos que a resposta é sempre o amor? Palavras podem parecer nada, passar quase despercebidas mas são elas que validam a violência e tornam as mulheres coibidas. Dizem que hoje a opressão é inexistente, sim, verdade – mas só pra quem insiste em ser prepotente. Ou pra quem está inconsciente – basta despertar! Não há razão para essa bobagem continuar. Pra quem tá cego realmente não existe a opressão não culpo, não julgo, apenas peço mais luz no coração Saiba que ela está ali, qualquer uma pode sentir basta observar esse meu desabafo que não me deixa mentir. Pra quem não conhece a empatia, pequenas doses diárias funcionam como homeopatia. O que parece uma fala inofensiva é apenas uma reprodução bem intensiva De que as nossas características não são bem vindas na sociedade, mas...

Resistência

Não me considero mais RESISTÊNCIA. Já me considerei resistência política, já não sou mais. Acredito que quem resiste são eles – resistem à mudança, mais direitos, mais liberdade, menos opressão. A primeira vez que pensei sobre isso foi ano passado, quando uma amiga me perguntou se eu, deixando de lutar “na resistência” (ou sair na rua e militar), estaria aceitando a opressão? Não. Hoje eu me considero PERSISTÊNCIA. Persistência de que as ideias novas que estão por aí são, definitivamente, um caminho possível e com paz para toda a humanidade. Direitos iguais, preservação do meio ambiente, autoconhecimento, tecnologia e acessibilidade de recursos para todos. Ideias novas, rejeitadas por quem ainda ganha oprimindo alguém, em alguma parte do globo, por razões que ninguém em sã consciência entende – muitas vezes de forma inconsciente, mas sem julgamentos, pois cada um possui um nível de consciência e está fazendo o melhor que pode, com o que tem. Tudo me parece tão simples Basta que nos esforcemos para, ou nos adaptar a essas novas ideias (afinal, não importa sua idade, você pode evoluir sempre), ou ainda PARTICIPAR tentando melhora-las em comunidade. Acha que uma ideia não é boa? PARTICIPA. Manda contribuições que realmente some, não apenas critique (haters – o pior é que eles acabam não sendo ouvidos). Não fica aí só reclamando, dizendo que não vai funcionar, sem acrescentar nada. Tenha humildade em admitir que você também não sabe todas as respostas, assim como todos os seres humanos vivos e não vivos. E se for mesmo humilde, junte-se a quem está fazendo tentativas. Quem sabe vocês se complementam a mudam, pra valer, o...

Movimentos sociais e desenvolvimento pessoal

Meu objetivo nesse texto é instigar uma reflexão para saber o ponto que estamos de nosso desenvolvimento pessoal e quais são nossas limitações para uma verdadeira mudança social. Meu objetivo não é obrigar ninguém aqui a levantar bandeiras e ser militante de causas sociais, é apenas mais uma reflexão sobre sociedade e espiritualidade, pela expansão da consciência. Acredito que a reflexão vale a pena, embora realmente não tenha uma resposta concreta para nenhum problema. Quando mergulhamos em uma jornada de autoconhecimento e espiritualidade em busca do desenvolvimento pessoal, podemos nos afastar ou ignorar uma realidade social muito presente em nossos dia-a-dia: a opressão sofrida por grupos específicos. É muito comum, por exemplo, quando eu falo sobre feminismo, as pessoas dessa comunidade mais “espiritualizada” acharem que eu estou falando a partir de uma mulher ferida, cheia de limitação do ego e que meus argumentos partirão de raiva e nojo de homem. Não. Tenho, sim, minhas limitações, mas estou falando de feminismo através de uma consciência de quem já passou por problemas relacionado a questões de gênero, que se curou e quer ajudar, com essa experiência, na cura de outras pessoas e da sociedade. Algumas pessoas agem como se eu não conseguisse enxergar que “somos todos um” e que não precisamos brigar, podemos viver em paz. Lógico que sei disso, é a premissa que sigo ao ser simpatizante de movimentos. Quem oprime é que não sabe – ou esquece pelo seu próprio benefício – e acredito que nossa função é tentar expandir nossa consciência. Com amor, compaixão e resiliência – meditando e conversando. Assim é com política e outros temas sociais: polêmicos demais...

Zona de(s)Conforto do Brasil

Estamos passando por um momento muito delicado em nosso País, desde quando os portugueses chegaram. Com as tecnologias e consciência da sociedade brasileira, no entanto, é importante estarmos atentos para fazer as coisas no paradigma do amor. E isso está longe de ser um papo apenas filosófico, pode ser bem prático. Brasil: será que agora vamos sair dessa zona de conforto, que já está bem desconfortável? Quem tem medo de ideia nova? Conservadores. Por que? Porque as antigas ideias e comportamentos lhes servem de algo. Funciona igual em âmbito pessoal. Se liga: quem tem medo de sair da zona de conforto? Todos a quem sua zona de conforto ainda serve! Quando nos livramos do que não serve mais? Usando nossa bússola interna: se algo nos incomoda profundamente, procuramos novas opções. Mas, sem expandir a consciência, sem olhar para um panorama maior, nos fechamos para nossas necessidades pessoais, ao invés de votarmos pelo interesee público. O problema é que somos manipulados pela mídia, que é de onde achamos que estamos sendo informados. Que tal refletir por si, não é? Quem são os conservadores políticos e econômicos, que se beneficiam do sistema? A quem esse sistema opressor e violento está servindo? Confesso que nunca li aquele livro “Como ser um Conservador”, estou apenas propondo uma nova perspectiva e reflexão. Será você um conservador consciente e está de boa com o caos do Brasil, ou é conservador porque está na zona de(s)conforto? História do Brasil A quem um sistema, que se livrou da escravidão há apenas 128 anos, está servindo? Após séculos de escravidão, houve uma transição para assalariados. Imigrantes como meus...

Youtubers que me inspiraram em 2015

Uau, 2015 já está acabando e eu nem consegui fazer tudo que tinha em mente. No entanto, não posso reclamar, pois fiz meu melhor. Foi um ano ótimo pra mim, cheio de aprendizado e experiências inesquecíveis. Uma das coisas mais incríveis que aconteceu foi eu ter começado a acompanhar alguns youtubers que falam a mesma língua que eu. Eles falam muitas coisas interessantes, que validam minhas ideias e, claro, adicionam mais e mais conhecimento. Costumo dizer, pois é assim que sinto, que as coisas que eles falam ressoam com minha alma, como se eu tivesse o mesmo “grau de loucura”, como se tivéssemos na mesma vibração. Quando escuto as coisas que essas pessoas dizem, é como se a sabedoria que tenho internamente se abrisse. Tem gente que eu escuto falar, mas não faz tanto sentido, pois ou falam de coisas óbvias demais pra mim ou muito complexas que eu ainda não entendo. Ou seja: essas pessoas que listo abaixo falam das mesmas coisas que eu me preocupo em pensar, logo me inspiram muito. Tenho muitas outras referências, mas vou citar as quatro que me ajudaram mais este ano em relação aos meus insights (+ bônus). São elas: Flavia Melissa Conheci ela por indicação de uma ex colega de trabalho, que achou que eu ia gostar. Ela acertou! O vídeo abaixo foi, se não me engano, o primeiro que vi dela. Depois disso, vi quase todos da lista, fica até difícil eu procurar e encontrar algum que eu não tenha visto, que não recém subidos. Flavia é psicóloga e fala sobre desenvolvimento pessoal, meditação, espiritualidade, gratidão e outros temas relacionados....

Perdão: exercício para perdoar e ser mais feliz

Um exercício para praticar o perdão: ame a pessoa incondicionalmente e coloque na balança se os defeitos são toleráveis ou não. Seja como for, faça tudo com amor, nunca com raiva, sede de vingança. Esse é um exercício muito bom de se fazer para curar feridas e perdoar. Lembrando que embora seja um exercício de perdão e pareça que o outro é o mais importante, na verdade o praticante é 100% responsável pelo sucesso. A outra pessoa nem precisa mais estar viva! Pode ser feito para perdoar um companheiro ou companheira, pais, irmãos, amigos, ou qualquer pessoas com um laço afetivo. Talvez funcione com pessoas sem laço afetivo, mas nunca tentei. Você também pode fazer para perdoar você mesm@. Faça esse exercício para tomar consciência de suas mágoas para ter a oportunidade de encaminhá-las a gaveta certa, ou seja, fazer o que estiver no seu alcance para resolver a questão. Perdão: um alívio para quem perdoa Sente-se ou deite-se de olhos fechados após ler com atenção essas orientações e siga da forma que mais combinar com seu momento. Essa é apenas uma ideia, inspiração. Respire… preste atenção à respiração e tente diminuir o ritmo. Tenha compaixão e pratique o perdão Tenha em mente viver o agora, estar presente de corpo e alma, sempre que se pegar no passado e no futuro, volte para o presente. Mesmo que tenha que trabalhar uma dor específica fora do presente, volte assim que puder para o aqui e agora, não se perca. Procure praticar o não julgamento e o desapego, pratique o perdão, a compaixão e o amor incondicional. Para iniciar, diga as...

Meditação pós sessão: o que fazer após abrir os olhos

Em abril desse ano fui ao Retiro de Meditação em Nobre Silêncio no Templo Zulai. Foram 3 dias de várias sessões de meditação e palestras com as mestras monjas budistas. A maioria das sessões eram feitas na sala de meditação, onde sentávamos em silêncio e ficávamos cerca de 20 minutos meditando. Uma sessão que gostava muito era meditação caminhando em volta da sala. Outras sessões eram feitas ao ar livre, parados ou em movimento lentos. Os trabalhos monásticos também estavam nas atividades e eram “tarefas domésticas” em grupo. Quase dispensável dizer que tudo feito em total silêncio. Todas as atividades tinham a intenção de serem feitas em meditação, com consciência total no aqui e agora. Esse é, pra mim, o grande segredo: fazer tudo de forma consciente, alerta, presente. Não deixar que os pensamentos nos dominem, e sim utilizá-los como ferramentas para resolução de questões da vida. Tudo que vou relatar é parte da minha experiência, do meu ideal de prática e não uma verdade absoluta. Quando estamos sozinhos é mais fácil manter esse estado, então eu procuro passar algum tempo sozinha praticando isso. Espero que minha experiência possa inspirar alguém: 1. Respiração Certa vez vi um vídeo que falava sobre o fato de que se controlarmos a respiração, controlamos nossas emoções. Naquele mesmo dia, tive um pequeno ataque ao perceber que meu chuveiro estava pegando fogo durante meu banho. Mesmo depois que percebi que o fogo começou e parou ali mesmo, só fui me tranquilizar quando eu falei: “hoje ouvi se eu respirar devagar meu desespero acaba”. Dito e feito! Respirei uma… Duas… Três… O fogo tinha ido embora e meu...

Mais “a favor”: sobre abordagens com amor e generosidade

Sou ciclista. Moro em numa cidade que tem bastante ciclovia, mas ando fora dela onde não há. A mobilidade é uma causa minha. Pense em uma bandeira que você levanta e faça a reflexão a partir dela. Veja abordagens possíveis pela causa do respeito no trânsito para com os ciclistas: 1) “Respeito ao ciclista! Todos juntos por um trânsito seguro!” 2) “Contra os desrespeito aos ciclistas! Todos juntos combatendo a violência no trânsito!” Hoje fui almoçar em casa, de bicicleta. Pedalava numa rua sem ciclovia. Um/a motorista de carro me deu uma das maiores buzinadas que já levei, sendo que a rua era suficientemente grande para que eu, o outro ciclista que estava ali e o carro passassem tranquilamente. Tendo praticado minha espiritualidade, estou muito mais amorosa e generosa. Tudo que eu senti hoje, quando me recuperei do susto da buzinada, foi compaixão. O que pensei quando meu coração voltou ao normal foi que deve haver alguma razão para essa pessoa ter feito isso e que com certeza ela não sabe o perigo que existe em buzinar para um/a cilista. Percebi também que, infelizmente pra mim, não são todas as pessoas que pensam como eu, que provavelmente @ motorista achou que os ciclistas estavam atrapalhando. Tive a certeza que era de amor o que ele/a precisava. Eu sei que você deve estar pensnado: “você mandou amor, mas o que vai mudar? @ motorista vai continuar buzinando para @s ciclistas”. E se eu ficasse com raiva e irritada? Ele ia mudar? Eu apenas estragaria minha sexta-feira. Se é de amor e respeito que precisamos, porque nossas bandeiras são, em sua maioria, baseadas em...

Casada

Nunca havia pensado como seria estar casada. Dividir a rotina, o tempo livre, os problemas, as alegrias, o teto, a vida, tudo. Antes de casar, pensava em morar com amigos, namorar bastante tempo, de repente. Viajar e morar em vários lugares. Mas os planos não saem como esperamos, as ondas nos trazem surpresas ao longo do caminho. Mas tudo bem! No meu caso, eu poderia dizer que foram as ondas de protestos de junho de 2013 que o trouxeram pra mim. Há exatos 9 meses, fiz a escolha mais certa que poderia ter feito na vida: dividir diária e constantemente a vida com meu marido. Muitos podem pensar que foi precipitado, que a gente foi rápido demais. Mas quando a decisão é a certa, não tem motivos para adiar. Eu – com minhas carências psicológicas, mimos, manias, infantilidade, instabilidade, sonhos e preocupações desnecessárias – fui aceita (isso mesmo: aceita!) por alguém extraordinário que também aceitei. Por alguém que descubro a cada momento. A vida prepara cada coisa. Nunca havia pensado como seria estar casada. Mas acho que assim é melhor, não crio expectativa e, então, aproveito tudo de bom que há por vir, e lido sem frustrações com o que acontece de ruim. Obrigada, meu amor, por esses nove meses juntos (de novo)! Te reencontrar nessa vida é a única coisa que não poderia jamais me escapar; o resto, a gente...

26 completos

Como você está aproveitando sua vida até agora? Estou para completar 26 anos e digo: estou aproveitando perfeitamente bem! Que venham os próximos!

Beijinhos aos meus fãs – sou linda

Vocês já ouviram falar de uma campanha chamada “chega de fiu-fiu”? É uma campanha de conscientização sobre as cantadas que nós, mulheres, ouvimos O TEMPO TODO na rua. Pode ser um fiu-fiu, um “ô lá em casa”, um “noooossa”, um “que gostosa” ou apenas um olhar fixo em nossos peitos, bundas e coxas. Super apoio essa ideia, e luto para que os homens sejam mais conscientes sobre esse problema que atinge muitas mulheres – das mais lindas e saradas até as menos vaidosas. De acordo com meu marido, que não é perfeito, mas é um homem extremamente educado, consciente, respeitoso e do bem, esse tipo de comportamento é de homem idiota e não são todos os homens que são assim. Saber disso me aliviou bastante. No entanto, percebi que os homens não entendem como nós nos sentimos quando somos consideradas pedaços de carne, como se nosso corpo fosse de propriedade pública e que simplesmente seríamos menos revoltadas se os homens guardassem a opinião sobre nós, para eles (ou só comentasse com os amigos, como nós, garotas, fazemos!) e só paquerar e abordar mulheres que estão querendo paquerar em situações adequadas para isso – bares, baladas, etc -, sempre com respeito. Foi então que, semana passada, fui correr de top e shorts e – depois que eu reclamei dessa questão – meu marido me disse que não posso ficar indignada quando os homens idiotas agem assim e que eu não tenho controle sobre o que eles pensam e fazem. Meu pai já tinha opinado que não devíamos ficar bravas, e sim, agir como “obrigada, mas não sou mulher pra você”. É...

Livros que li em 2013

Em 2013 eu li, pelo menos, dez livros. Talvez eu tenha esquecido de um ou outro, mas aí vai a minha seleção, super eclética. A Profecia Celestina, de James Redfield: depois de 3 anos na fila por indicação de um conhecido e começando 3 ou 4 vezes, em espanhol e em PDF, finalmente comecei e terminei. Este livro mudou minha vida, abriu minha cabeça em diversas áreas. Se você gosta de esoterismo e busca sua evolução espiritual, é muito indicado. Putzgrila! Viagens e amores livros nos anos 80, de Lucio Martins Rodrigues: um livro inspirador sobre uma jovem adulta que faz diversas viagens, em diversos contextos. Seus amores e aventuras que aconteceram de verdade são descritos de uma forma leve e que prende muito o leitor. Fiquei com vontade de sair viajando por esse mundão! My Life in Pink and Green, de Lisa Greenwald: esse livro, até onde sei sem tradução em português, foi escolhido por mim em 2010 para treinar meu inglês. Também deixei ele no armário e esse ano resolvi recuperar. Consegui ler inteiro (o primeiro em inglês que li completo), reforçando, pra mim mesma, minha fluência no idioma. O livro é uma história de uma pré adolescente que tenta salvar o negócio de sua família, uma farmácia/conveniência. A saída que ela encontra é transformar o ambiente em um lugar mais “verde”. É um livro do estilo O Diário da Princesa (Meg Cabot), facinho de ler, história pra adolescente, mas valeu a pena, pois também gosto de escrever esse tipo de história. A Revolução dos Bichos, de George Orwell: mesmo autor de 1984, um dos meus livros preferidos. Essa clássica história conta...

Viver

  Mais que sofrer, é preciso viver a dor. Sofrer é ter certeza que estamos vivos. E nessa hora, todos os clichês são válidos. “O que não nos mata, nos fortalece” ou “valorizamos mais a felicidade quando sabemos o que é a tristeza” e por aí vai. Quem dera, não é mesmo, viver apenas os momentos bons. Pular os ruins. Enjoaríamos, será? Não ficaríamos mais frágeis? Não aprenderíamos menos? Então, vivenciando tudo isso com a maior intensidade possível, consigo começar a entender o que é amadurecer. Não é deixar de sofrer; não é, tampouco, estar infeliz por estar sofrendo. É aproveitar o momento de sofrimento e da angústia, mas mantendo-se equilibrado. Saber aproveitar uma oportunidade, uma volta no bairro, uma ida a um evento especial. Não é entrar em depressão, pensar que o mundo acabou. Sofremos porque perdemos. Perdas existem porque fazemos escolhas. Maturidade é aprender a fazer boas escolhas. Fazemos boas escolhas para o nosso...

Sustentabilidade é moda e é falsa

Será que empresas como a M. Officer podem mesmo ter a imagem lavada aos olhos de defensores do meio ambiente e animais? Ontem passei pela loja M. Officer e a olhei com cara de nojo, como sempre faço. A loja vende algumas roupas feitas de pele. O dono, Carlos Miele, não demonstra nenhuma compaixão pelos animais. Ele deu uma entrevista, em 2011, dizendo que os animais de cativeiro são criados para isso e que devem ser consumido por completo, até o osso. Disse ser contra uso de animais selvagens para esse fim e que “se não podemos usar peles de animais de cativeiro, temos de discutir se podemos continuar comendo peixes e carnes”. (peixe é carne, mas ok, ele deve comer só as escamas ou as espinhas, sei lá.) Percebo que a única motivação dele é a lei. Não é questão de poder ou não, senhor Miele. Podemos usar pele e comer carne, mas será que devemos? Pior ainda é trecho do comunicado oficial sobre esse assunto, pois senti que eles fizeram o público de idiota. “Somos absolutamente contra qualquer tipo de maus-tratos aos animais e apoiamos incondicionalmente qualquer solução inteligente, mudanças, leis e órgãos oficiais de controle para as questões que afligem o meio-ambiente e a vida no planeta”. Eles apoiam incondicionalmente mudanças porque sabem que uma mudança mais radical está longe de acontecer. Isso foi ano passado (2010), mas, para mim, nunca vai passar. Foi então que ontem, quando passava pela loja, uma mocinha saiu de lá com uma sacola bege com um grande símbolo de reciclável ao lado: “nossa! que loja sustentável, heim, usando sacolas recicladas!”....

Fim do Intervalo

Agora, por favor, de volta ao futebol. Engraçado que quando eu decidi me afastar um pouco do futebol, dar um tempo, as pessoas começaram a pensar que eu era fanática. Bom, nunca fui. Só que eu sentia incompatibilidade entre meu sentimento perante ao futebol e o que eu tenho buscado na vida. Depois de 6 meses e 2 campeonatos afastada, aprendi a lição! Do mesmo jeito que eu decidi dar um tempo, volto com toda vontade ao mundo futebolístico, afinal, EU ADORO FUTEBOL! Adoro ir ao estádio, gritar, torcer. Não preciso mais passar vontade! Foi interessante essa minha experiência, valeu a pena, não me arrependo de não ter assistido os jogos. Fiquei ansiosa nos jogos decisivos, igual. Chateada quando não rolou o Paulista, igual. Feliz no jogo contra o Palmeiras, igual. Agora me sinto mais madura em relação a esse tema, mais consciente, mais preparada pra encarar, sem gastrite nervosa, talvez não deixando em paz apenas minhas cutículas! Estou conseguindo até rir das piadas e brincar com os outros times também. Isso não é um conselho para os loucos por futebol, não. Para mim, funcionou assim. Vi que preciso estar de fora para refletir sobre algumas situações específicas da minha vida. Estou compartilhando minha experiência porque comigo foi o futebol, mas pode ser relações, opiniões, escolhas… Elas não precisam mudar, acredito que apenas serem mais...

Educadores Sem Fronteiras

Estou fazendo um trabalho sobre o Instituto Educadores Sem Fronteiras, uma escola de ensino complementar para jovens que vivem em vunerabilidade socioeducacional, que não dá diploma e o principal requisito é querer estar ali. Os professores, chamados de Educadores, amam ensinar e aprender também, têm uma disciplina e um plano de aula principal, mas navegam por inúmeros temas até entrar no assunto planejado. Os alunos, chamados de Educandos, têm prazer em conhecer e a presença beira no 100%. Só pode faltar por um motivo muito justo, pois existem muitos jovens interessados. Para vocês entenderem um pouco mais sobre como os alunos se sentem lá, segue um manifesto escrito por eles mesmos. Manifesto dos Educandos Sem Fronteiras 1. Não queremos entrar no labirinto sem paredes, caótico e sem governo onde nos encarceram por seis horas de gritarias; 2. Abrimos mão da nossa condição de robozinhos insubordinados para romper os horizontes da matemática e do português a favor da nossa revolução sem armas; 3. Chega da obrigação das horas trabalhadas e das horas estudadas que nos causam o sentimento de insatisfação e de dor no momento de aprender; 4. Não queremos mais a tecnologia e os livros duelando conosco em salas sem uso, cheias de fantasmas do desejo de conhecer que já não nos motiva; 5. Aqui encontramos a liberdade de exercer nosso direito de dizer: “Sim! Desejo aprender!” ou “Não! Ainda não estou pronto”; 6. Na convivência diária, brilham as estrelas nossas porque já não há distâncias entre educando e educadores. Somos uma comum-unidade dentro de uma sala repleta de possibilidades; 7. O mundo é nossa sala de aula! Não...

Sedução da tragédia

Semana passada resolvi que eu deveria voltar ler notícias, ver telejornal… Há meses me desvio desse tipo de informação. “Que menina chata”, pensei certa vez, “não sei dos assuntos atuais para conversar com meus amigos”. Então, apesar de ter sempre opinião sobre tudo [hehe], achei que poderia ser legal entrar num site jornalístico. Acessei um portal de notícias e variedades, daqueles conhecidos, com muita coisa escrita, publicidade, cores fortes… As notícias que me chamaram atenção foram o filho do cantor Leonardo gravemente ferido e cinco jovens que haviam morrido, os dois casos por causa de acidente de carro. Li a notícia do cantor e pensei, meio triste, “espero que ele esteja bem, que ele se recupere”. Abri a notícia sobre os jovens. Chorei. Fiquei nervosa. Tremi. Pensei que podiam ser meus amigos. Fechei sem ler até o final, eles tinham morrido, não era novela ou outro tipo de ficção, para esse tipo de coisa não existe “Ctrl+Z”. Fechei o navegador depois de me arrepender de ter aberto. Isso sempre acontece comigo. Não sou a mais informada da turma, por que odeio ficar vendo notícia ruim, lendo coisas sobre famosos, assistir programas de TV e me dá agonia de ver como o jornalismo é. Agora pouco cheguei em casa e sentei na sala para carregar meu celular, na TV passava o ex-gordo zoando um gordinho [eufemismo] que havia caído de cara num carro, no quadro de cassetadas. Uma, ao meu ver, sacanagem que já dura décadas [pelo menos umas duas, né?!]. Nunca vi graça nesse quadro, acho que isso é rir da desgraça do outro e muita falta de coisa...

Leia Gênesis que você vai entender

A questão foi levantada por um contato meu do Facebook, que sempre traz questões interessantes a serem debatidas. Não coloco a postagem nem as opiniões se não teria que postar tudo, por causa do contexto. Mas foi interessante. A não ser porque fiquei pensando… E pensar é ruim (brincadeirinha!!!), por que quero respostas que nunca terei. Era um papo sobre religião, Deus e extraterrestres. E aí, se Deus e Anjos são seres extraterrestres, será possível haver outros, tipo alienígenas? Acredito que o objetivo era dar mais a opinião mesmo, nada científico. E uma das opiniões foi que Deus não ia deixar seres espalhados ou “esquecidos” pelo Universo, então pra ela não existia. Apesar do respeito que tenho pela opinião, vejo um buraco nessa explicação, “Leia Gênesis que você vai entender” por que essa resposta me parece muito artificial, mecânica. Acho que não é o que essa pessoa acredita, para dar seu ponto de vista, argumentar e por isso só tem uma resposta, que não vem do raciocínio, sensibilidade e reflexões próprias e sim de terceiros. Acreditar na Bíblia… Se você acredita, faça um esforço a mais para entender o que vou dizer agora: qual é a diferença concreta em acreditar na Bíblia ou em qualquer outro livro, de ficção (mesmo sabendo que o autor escreveu fantasias de sua mente) ou de Ciências (tão bem argumentados)? Acredito tanto em Deus que fico com pena de dizer isso, principalmente por que há chances de ser verdade, da mesma maneira que há chances de não ser. Mas o Deus que eu acredito não me julgará por desconfiar, pois ele me fez assim....

Todos os sonhos do mundo…

Admito que sou uma estudante de jornalismo relativamente desatualizada. Não que eu não saiba realmente o que está acontecendo, mas tem coisa que eu prefiro não saber em detalhes. Quero que saiba que esse primeiro parágrafo está sendo escrito apenas para me desculpar, verdade. Ontem me arrepiei ao ver uma foto. Sou sensível demais e ler “desocupação” “milhares de familias” já me faz chorar. Então prefiro não saber. Li (chorei) um pouco sobre o assunto, e não tenho propriedade para falar dele aqui, por isso, procurem no Facebook artigos sobre isso. Aqui falo mais de um sentimento estranho esse que está dentro do meu coração. Vamos lá, é um desabafo. A Foto que me Fez Arrepiar – Ainda não sei o Autor  O mundo é dos ricos, as pessoas que vivem a margem da sociedade e são esquecidas, apenas lembradas para serem acusadas, linchadas. Invasores, marginais, traficantes, violentos, resistentes, nunca seres humanos… Aquela máxima de que ‘todo mundo é igual’, só funciona com aquele complemento famoso ‘mas alguns são mais iguais que os outros’ (George Orwell). Em minhas visitas às comunidades carente com a ONG Um Teto para meu País é unânime a falta de atenção dos nossos ‘representantes’ para com a sociedade. Minha última visita, no sábado, olhei uma pasta com entradas de pedidos não atendidos, e talvez alguns que jamais serão. A representante, eleita com mais de 240 votos, que faz vários cursos, queria fazer faculdade de direito (eu e meus colegas ficamos positivamente surpreendidos) e nos disse que a comunidade está organizada, que as famílias comparecem em todas as reuniões, pedidos e mais pedidos… E nunca...
Página 1 de 512345

Gabriela Pagliuca

aka/vulgo Gabitopia

Sou artista e facilito processo de autoconsciência. Alimento o Gabitopia, esse blog, há mais de 11 anos. Estudei e sigo estudando comunicação, facilitação de grupos e técnicas de cura a partir de manipulação de energia (holística).

Meu blog é onde está quase todo meu trabalho como escritora, para saber mais clique aqui. Para saber mais do meu trabalho como facilitadora de processos de autoconhecimento, acesse aqui.

Meu propósito é amar, dar amor e estar em paz. Aqui é meu lar virtual, uma ferramenta para eu cumprir meu papel!

Gosta do Gabitopia?

Faça uma Contribuição Voluntária

Para apoiar o Gabitopia e meu trabalho de forma geral, você pode contribuir no botão abaixo, com o valor que quiser. Se quiser fazer uma contribuição voluntária ou parceria recorrente (mensal, semestral, etc), entre em contato no gabitopia@gmail.com que podemos conversar melhor.

Agradeço muito a todos que já me apoiam, pois sem esse apoio não conseguiria!

Envie uma mensagem preenchendo o formulário:

gabitopia@gmail.com

w

(13) 981310537

whatsapp