Essa categoria é bem genérica e diz respeito, de modo geral, às minhas reflexões sobre o meu estilo de vida ideal.

Publicidade e Moda VS. a gente – os que pensam!

           A cada hora somos bombardeados com muita publicidade, tudo está a venda e por isso, até mesmo as pessoas mais críticas podem pensar que estamos em um beco sem saída, mas não necessariamente. Talvez tenhamos que consumir o que nos oferecem, mas não precisamos ser manipulados como eles querem que sejamos e deixar de fazer nossas próprias escolhas, pensando bem antes de comprar do que comprar por impulso.            As pessoas acreditam que são vítimas de um sistema e de pessoas que não param de vender, mas o errado da história não é quem vende e sim quem compra sem pensar. Não tem problema comprar, o problema é comprar incessantemente porque pensam que assim vão ser mais felizes, que vão estar na moda ou que vão ser melhores que os outros. Às vezes já até tem algo com a mesma função, mas quando lança um novo, querem por tudo.             Como você é? Como você reage à publicidade? É o que eles mais querem que você não faça, mas, POR VOCÊ, faça: reflita um pouco sobre isso.            Eu ainda não entendi a questão de moda (termo geral, não só pra roupa). O que é a moda? Não é meio que cada um faz sua moda? Como eu posso usar a mesma roupa que Gisele Bündchen usa nas passarelas e que Miley Cyrus usa para passear com seu namorado, afinal de contas, não temos os mesmos corpos e nem os mesmos gostos. Ou então porque vou querer um super computador de último...

Vídeos de Felipe Neto – Não faz sentido

             Esse Oi!! é pro Felipe Neto, e esse Oi!! é pro pessoal que sempre tá aqui e gosta do meu blog Primeiro me apresentar – pro Felipe, porque vocês já me conhecem -, pra ele não achar que eu sou uma pessoa nada a vê que só quer chamar atenção (EU! ME OLHA, ME OLHA! EU!) dele porque ele é bonitinho (??? -não tenho opinião sobre isso) e tá ficando famosinho (!!!) : Eu tenho 22 anos, estudo jornalismo em Madrid, Espanha (só esse ano, intercâmbio), sou brasileira e paulista e (tento ser) escritora. Esse blog é direcionado a adolescentes e tento abrir um pouco a cabeça deles (mais direcionado ainda a meninas, mas…), mais ou menos como você fez nos três últimos vídeos, mas de maneira diferente, já que tento me aproximar pelo carinho e não pela zoação. Ah, e meus textos são a maioria literário, acho, mas eu pesquiso bastante e tento conhecer melhor a cabeça dos adolescentes e estou estudando pra tentar – a maneira ainda não sei – mudar um pouco esse cenário ridículo que estão os meios de comunicação atuais. Eu sou muito crítica também em relação a tudo isso. Eu assisti seus três últimos vídeos (coloridos, sub celebridades e colírios), e você tem a mesma linha de raciocínio que eu, mas eu sou um pouco menos dura 😛 Eu penso muito nos adolescentes e em como mudar a situação atual, acho que melhorando a capacidade intelectual do adolescente, em poucos anos os adultos serão mais inteligentes (causa x efeito), mas ainda estou refletindo qual seria o processo. No...

Homossexualidade

Parte 1: literária: “Bom dia amigos e amigas, obrigada por terem votado em mim como personalidade do ano. Eu gostaria de começar meu discurso aproveitando a ocasião para fazer uma declaração que ainda não fiz oficialmente, mas que todos vocês sabem. Vou falar um pouco da minha sexualidade. Porque vocês estão se levantando? Não, por favor, não saiam. É apenas um instante.  Valeu! Nem sempre soube da minha condição! As vezes me perguntam qual é minha opção sexual, mas não é bem opção porque eu nasci assim, não escolhi, não optei. Bem cedo descobri que eu era uma pessoa especial, não sabia porque, mas sabia que alguma coisa de especial eu tinha. Eu sempre fui uma criança diferente, me machucava no futebol quando jogava com meu irmão e amigos, muitas vezes me machucavam de propósito só para se divertirem comigo. Foi quando entendi que preferia brincar no parque com minha solidão, dentro de uma casinha de bonecas que as meninas me tiravam para poder brincar entre elas. Eu me convidava para me juntar a elas, mas o pedido era sempre rejeitado: “não gostamos de você”. Não era ruim essa solidão, eu costumava refletir muito nessa hora, foi meus primeiros sinais que eu escreveria quando crescesse. Lá pelos meus 12 anos, sem entender porque, comecei a me interessar por meninos, mas não contei pra ninguém. Eu tinha muita vergonha. Eu me aproximava de quem eu me interessava e eles acabavam virando meus amigos, grandes amigos. Depois descobria que eles não se interessavam por mim, sempre me considerei uma pessoa feia e desengonçada. Ficava o tempo todo com as meninas para...

Dois trabalhos de Estética e Imagem!

Esses dois vídeos são dois trabalhos de estética e imagem, essas aulas me encantam!Já estou louca para o próximo trabalho (esses dois têm que ser entregues sóó daqui 2 semanas) Lixo Efêmero from gabi pagliuca on Vimeo. Nota: esse vídeo não tem o objetivo de ser um clipe de música com várias coisas acontecendo. Ele tem uma história com começo meio e fim, pode ser meio entediante, mas se você ver inteiro e conseguir entender vai ser quando valeu a pena usar esses 6 min 12 seg  vendo esse vídeo. Querem tentar? Minha Vez from gabi pagliuca on Vimeo....

Aprendi com os homens no romance: jogar e ganhar

Por que não ligam no dia seguinte? Por que somem do mapa? Por que não me procuram mais? É o que algumas mulheres se perguntam, mas sabem que os homens nunca vão mudar. Mas vocês, homens não sabem que as mulheres são as que sempre mudam… Mudam por necessidade, por amor e por tédio. Os homens são sempre os mesmos, sempre usam os mesmos pretextos, os mesmos motivos e as mesmas desculpas.  Com uma exceção, outro dia ouvi uma desculpa que nunca tinha escutado. Um amigo meu que é amigo de um amigo de um conhecido meu (depois mulher que é fofoqueira) me disse que o carinha que eu estava de rolo sumiu por que eu estava agindo como os homens, que tinha perdido as características femininas em um romance, não corria atrás dele, dizia que estou, mas não demonstro, interessada… Que estou agindo como ele! Como assim? E por isso não quer compromisso? Sumiu do mapa depois de conseguir o que queria porque EU estou diferente? Faça-me o favor, se não tá a fim de mim não precisa me procurar, mas não venha com xorumelas. Se eu mudei é porque vocês, homens, já esgotaram minha paciência e de tanto me fazer de idiota, estou começando a aprender. É claro que vocês são e sempre serão os originais, não posso ser como vocês. Não sou tão insensível, não prefiro um cara-gostoso-sem-nada-na-cabeça, não faço sexo por fazer, mesmo não necessariamente querendo uma coisa séria, nunca poderia atingir o nível de falta de consideração que vocês têm. Quisera eu aprender, quem sabe não consigo?           Estou começando a me divertir mais, como...

Adianta pensar que dessa vez vai ser diferente?

 Adianta pensar que dessa vez vai ser diferente? Não adianta. Não sei por que ainda tento me apaixonar, não deveria me iludir.  Manne nie werd om ‘n sent Burrat nuk ia vlen as një grosh الرجل لا يساوي فلسا Мужчыны не каштуе ні капейкі Мъжете не струва и стотинка Els homes no val un cèntim 男人一文不值 Muškarci ne vrijedi peni Muži nestojí za penny Mænd ikke værd en krone Mannen niet waard een cent Ilusão, é sempre ilusão.  É por isso que eu odeio me apaixonar, quando isso acontece a gente fica sonhadora, encantada, mais jovem, cuidadosa, vaidosa, forte, corajosa, sorridente, cheia de vida, otimista e esperançosa. Pra que?  Men not worth a penny Mehed ei ole seda väärt kross Lalaking hindi katumbas ng halaga ng salapi Miehet eivät arvosta penniäkään Les hommes ne vaut pas un centime Pra depois pensar o quanto a gente foi idiota de pensar que “um homem como aquele” ia se apaixonar por nós? Nem adianta vir dizer que eles também são inseguros. Não aguento mais ouvir as desculpas masculinas.  Home non vale ningún centavo Männer keinen Pfifferling wert Οι άνδρες δεν αξίζει μια δεκάρα Gason pa vo yon peni גברים לא שווים פרוטה Se não ia ligar, porque pediu o telefone, ou se não ia ligar, porque disse mil vezes que ia? Por quê? Pra que? Homens se acham muito importante. A gente perde os sonhos, os encantos, envelhecemos, paramos de cuidar de nós mesmas, nos tornamos fraca e sem coragem, chorosa, com pouca vida, pessimista e sem esperança.  नहीं एक पैसा मूल्य पुरुष Férfiak nem érdemes egy fillért Men er ekki þess...

Kapital, 28/02

                Ontem eu fui a uma festa em uma das baladas mais famosas daqui de Madri, a Kapital. Realmente é de se impressionar! Quem vai, sai falando coisas do tipo “ela é fantástica, extraordinária!”, “você tem que ir”. Eu me impressionei muito mesmo foi com a quantidade de gente olhando pra cima e com uma fila de uma hora pra deixar o casaco. Saí falando “se aquilo é uma pista de dança, porque diabos ninguém está dançando?” porque eu simplesmente não gostei e provavelmente não voltarei lá.                 Falem o que quiser, não precisa concordar comigo em nada, mas o que eu sei é que eu me senti de volta a minha infância quando eu via que todo mundo se impressionava com cores, luzes, roupas brilhando. A não ser pelo tamanho e o formato do lugar, que é um teatro de sete andares (eu não fiz questão de conhecer tudo, vou falar só da pista de dança do palco), ele deixa muito a desejar. Isso não é uma “crítica” ao lugar, não estou fazendo um  “review” sobre a balada. O que fiquei pensando enquanto eu tentava dançar, porque a música às vezes parava e algo chato e não-dançante acontecia, é que de novo, como sempre acontece, por causa da beleza e fama, o lugar deixa a desejar em qualidade. O lugar é lindo, gigante, mas as músicas paravam como eu disse, e não dava pra dançar. Muita gente espremida, não dava pra conversar com os amigos. Cigarros nos queimando, machucava. Copos quebrando, cacos no pé das meninas (quase) obrigadas a usar sapato pra entrar ali. Quando percebi que não...

Quando escrever é uma arte?

Estética há em tudo o que consumimos. Os objetos, comidas, eletrodomésticos e eletrônicos, brinquedos… tudo está cada vez mais atrativo, colorido, com texturas e, é claro, gostamos de comprar o que nos agrada ao olhar. (E gostamos de namorar pessoas que a mídia (ou Globo) diz serem bonitas, esquecemos de olhar a qualidade porque o “importante” é namorar alguém que seja o padrão de beleza da moda) Esquecemos, muitas vezes, que a beleza está em outros lugares também, muito mais do que em objetos e imagens que vemos, deveria haver beleza também nas formas, jeitos, poses e cenas que imaginamos quando estamos lendo um bom texto. As artes não são consideradas artes por qualquer motivo. A música, dança, pintura, escultura, teatro e cinema são formas riquíssimas de se expressar. A diferença é que ler dá mais trabalho. Você pode ver, ouvir, apreciar essas outras artes sem ao menos parar para pensar em um prólogo ou epílogo e nem imaginar qualquer cena, porque elas estão lá. As imagens produzidas vão estar lá, de qualquer maneira, se você pensar sobre elas ou não. Mas quando você lê, você é obrigado a imaginar, se não, você para de ler, e quando para de ler, a imagem não se forma, o objetivo não se cumpre. Pra quem tem imaginação, um texto bem escrito proporciona grandes viagens no mundo da fantasia. Ele pode gerar reflexão, curiosidades, euforia e conhecimento para quem os lê. Mas as vezes as pessoas esquecem que escrever bem também é uma arte, e como toda arte tem uma padrão, uma estética e um motivo por estar escrevendo, não é simplesmente...

Sobre se apaixonar 2

Eu nunca entendi porque a gente se apaixona. É legal se apaixonar, mas só quando sabe que é correspondida. Fazer papel de boba, ficar envergonhada e vermelha, não saber o que falar e às vezes até mostrar que está tremendo pode ser bonitinho para o cara que também está a fim de você, ele já te acha fofinha, bonitinha e gatinha mesmo! Mas quando a gente sabe que o cara não vai achar nada “bonitinho” e sim uma pagação de mico… não é legal. Pode até ser que não tenha saída, que a gente  não controle esses sentimentos, mas é tão inútil uma paixão não correspondida! E nem venha me dizer que a gente aprende, que o coração fica mais forte porque do que adianta isso tudo, se dá vontade de chorar, a gente perde a fome – e quando volta vem mais forte -, a gente treme e não consegue nem fazer as coisas que temos que fazer nem nos concentrar no que é necessário concentração. Porque não podemos nos apaixonar por quem é apaixonado por nós? Porque a maioria das vezes, mesmo nos fazendo de forte, nos apaixonamos por quem não te vê mais do que como uma amiga? E porque a gente se sente feliz só de ver a pessoa ou de ver ele online no Facebook, se a gente sabe que mais do que isso não vai acontecer? Quantas dúvidas. O que a gente pode fazer? Deixar rolar, deixar o sentimento vir. Eu sei que a gente sofre, mas o segredo, acho, é saber lidar com esse sofrimento. É triste. Dá agonia e vontade de...

A mulherada voltou a ser idealizada.

É lindo ver que os meninos cantam músicas não simplesmente românticas, mas que idealizam nós, meninas! Nossa geração está salva, quem estava perdendo as esperanças: a nossa, como as outras gerações, os meninos continuam a nos idealizar! Lembrando que esse post fala de algumas bandas específicas citando trechos etc, mas serve pra qualquer banda que você, menina, goste!       Pode negar a vontade, mas eu tenho certeza que você enlouqueceria se descobrisse que músicas como “Se Você Quiser”, do Cine; “Entre Lençóis”, da banda Quarter; e, “Sinta Essa Noite”, da Mash foram feitas PARA VOCÊ.        Mesmo eles assumindo ter um jeito “meio livre de viver” (Entre Lençóis), admitem que quando a menina quiser, ele vai estar lá. E quem concorda que, nos dias de hoje, isso já basta pra saber que o cara tem o mínimo de consideração por nós?       E não adianta negar que você não derreteria se ouvisse um gatinho dizer “se você quiser o meu mundo é seu” (Se Você Quiser).  Mas, não desmerecendo  as outras músicas que são demais, o que me faria sentir mais especial com certeza é se um cara composse a música que fala de uma mina perfeita chegando sem aborrecer ninguém e que todos os meninos ficam no pé, mas não ficam com ninguém, e falando “você me faz tão bem” (Sinta Essa Noite) puxasse a ponte pro refrão. Sério, o cara baba na mulher começando com a primeira frase “a cidade pára quando você vem”.       Eu fico me perguntando como é que faz pra conseguir ser uma dessas meninas inspirações pros caras. E admito...

O mundo quer um acordo pra valer!

         Os representantes de cada país estão em Copenhague, na 15ª Conferência das Partes (Conference of Parts, CoP15) tentando negociar um acordo global para o clima. Esperamos um documento com metas, medidas e ações ambientais determinadas. Campanhas TicTac        Seria muito fácil se todos decidissem diminuir as emissões de carbono, mas a coisa fica difícil quando isso afeta o bolso de todo o mundo – literalmente. Todo mundo quer ver o mundo melhor, desde que sua fartura, seu luxo, suas viagens e seu desperdício não seja prejudicado, aí eles assinam. E outra coisa: ajudar o próximo, os mais necessitados, os mais pobres? Eles devem pensar: “O que EU ganho com isso?” Um absurdo, na minha opinião.        E para dar um empurraozinho – ou zão – na decisão desses representantes mundiais vários focos de protestos foram detectados. Na Av. Paulista, dia 11 e 12 de dezembro, eu estive lá. E não sei porque, mas estou a sensação de ter funcionado. Brincadeira, é claro que eu sei porque!          Sexta foi um pouco frustrante na verdade. Quando meu irmão e eu chegamos, já havia lá a Cleo, ela estava com um cartaz e vestiu uma fantasia da mãe Natureza, muito legal! Depois meu irmão conversou com um rapaz que gostou da ideia de ficar segurando uns cartazes. Éramos quatro. Depois chegou a Bia e o Daniel. Depois minha irmã e meu cunhado chegaram. Mas nisso um já tinha ido embora, outro também e foi assim. Mas fizemos um estraguinho, com certeza. Os pedestres paravam para ler e o pessoal nos carros tentavam....

A polêmica das pulseiras coloridas – A pulseira do sexo!

Quem já ouviu falar na pulseira que tá na moda entre os adolescentes? Essa moda começou na Inglaterra e já se espalhou pelo mundo. Elas são coloridas e já chegaram aqui no Brasil, mas não com todo o significado que tem nos outros países. Nos lugares em que a moda vem também com a preocupação dos pais, é porque cada cor corresponde a uma ação: beijo, abraço, exposição de partes do corpo e todo tipo de sexo. A menina usa, o menino tenta quebrar e se conseguir, ela tem que fazer o que a cor significa.        Gabi Freitas, é paulista, tem 14 anos e ficou chocada ao ver que as pulseiras tinham significados vulgares, mesmo assim continua a usar porque acha que eles são apenas invenção e além disso, “eu acho que pode até ter significados, mas caso alguém quebre, a pessoa só faz o que a cor diz se quiser”, ela disse que nunca viu ninguém brincar assim e que para menina fazer o que a cor manda, se ela não quiser ,”a menina tem que ter uma cabeça muito fraca.”        A brincadeira não vem com nenhum tipo de violência física, é um jogo que as meninas e os meninos sabem muito bem as regras. Quem faz o que a pulseira quebrada pede é porque quer e não porque é obrigada a fazer, é claro que sempre tem aquela coisa de ser rejeitada e zuada, mas cada um é dono de seu corpo e tem que saber impor limite, e esse você descobre quando começa a se sentir desconfortável quando pensa em fazer...

Como votar?

              Esse post começou como um comentário no post do blog Culturítica, do meu BFF e blogueiro do qUATROaNOS, Isaque Criscuolo, mas começou a ficar muito grande, então virou post. “Votar ou Não Votar Nulo” é um post ótimo e recomendo: É um esclarecimento para quem está na dúvida no que fazer para mudar a área política no nosso país! Isaque disse no post: “Como escolha consciente, os votos nulos e brancos podem até ser aceitos. Desta forma, o voto nulo indica que o eleitor não aprova nenhum dos candidatos, enquanto o branco indica a aprovação por todos, indiferente de quem seja eleito.” Se há tanta gente honesta e com vontade de mudar o país, porque continuamos votando nessas mesmas pessoas? Mesmo eu tendo influências e pensamentos um pouco de esquerda, acho que o melhor sistema político é a democracia, mas ele precisa funcionar com pessoas nos representando, para melhorarmos alguma coisa, o importante não é votar em branco ou nulo, mas sim  conhecermos em quem vamos votar.  Sou da opinião que não é possível todos os candidatos serem maus e desonestos. O únido problema é que na mídia e na classe dominante, os candidatos mais famosos que aparecem, os que têm mais visibilidade e influência são aqueles que estão nos partidos mais tradicionais. Mas será que queremos mesmo esses canditados nos representanddo?  Nunca vou me esquecer que uma vez uma conversa com um amigo: amigo: – em quem você vai votar? eu: – em Fulana. a: – Não, Gabi… a Fulana não tem nenhuma chance de ganhar, então é melhor você votar no Sicrano para o Beltrano...

Alto Astral e impressora!

Alto astral! Já me conformei que não posso mudar o mundo inteiro e fazer dele um lugar muito melhor para todos. Mas percebi que se eu puder atingir pessoas perto de mim, já estará ótimo, será minha missão cumprida. Se eu consigo, é porque eu uso o segredo do puro alto astral! Não é só falar e pensar, mas agir. Tenho alguns segredos como não falar mal dos outros, não olhar tudo pelo lado negativo, não ficar toda hora reclamando das coisas, tentar sempre resolver os problemas e não ficar só me lamentando. Se as coisas saem errado, temos que nos concentrar e agir para que elas voltem para sua órbita natural. Quando sofremos, choramos e  ficamos com raiva, temos que aproveitar tudo isso pegando toda essa energia que se acumula dentro de nós e colocar num transformador, fazendo tudo o que era negativo, virar positivo. Mas esse transformardor, cada um tem o seu. O segredo, na verdade, é tão fácil que parece pegadinha de vestibular, mas não é. Realmente parece difícil porque pensamos que só acontecem coisas ruins com a gente, não damos muito valor as coisas boas e essas coisas vêm quando decidimos, e leiam bem, DECIDIMOS parar de ver tudo pelo lado negativo.  Reclamar, falar mal e criticar de todos, não adicionar nada na vida dos outros não vão nos levar a lugar nenhum. Temos que tentar viver com paz, amor e bastante alto astral.  É assim que eu deixo o mundo mais pink, e você? Impressoras Tanto alto astral, vou te contar o que me deixa extremamente indignada. São as impressoras de hoje em dia....

@Adolescentes no Twitter

 O Twitter o pessoal já conhece, começou a bombar no Brasil no começo do ano. Mas que fama toda é essa que tem entre os jovens? Para entender melhor o que está acontecendo, conversei com seis deles que me acompanham no Twitter do meu blog pessoal. Aparentemente, esta é uma fase de transição, os adolescentes vêm dizendo que o Twitter vai dominar as redes sociais como, por exemplo, o Orkut. Ana Caroline Alves Melo, 15 anos, acha que “com o tempo o Orkut foi perdendo a graça”, ela mantém sua conta, mas usa mais o Twitter, e ainda diz: “a maioria dos adolescentes que conheço tem”.  Mesmo gostando e usando muito a novidade, Caio Barros, 12 anos, diz que seus amigos ainda não usam “não por ser ruim, mas porque eles não querem experimentar a novidade… ou então não a entendem”.     Juliana Almeida , 18 anos, tem quase 4.700 seguidores que não sabe direito de onde surgiu, acha que foi através de indicações. Pra ela, o Twitter e o Orkut serão usados paralelamente, porque “a forma de interagir é um pouquinho diferente, cada um tem um atrativo especial”. Na opinião de  Thábata Carrion , 16 anos, o  facebook  também é popular, mas “quando todo mundo tiver, o povo ‘tecnologicamente elitizado’ vai migrar para outra rede de relacionamento”. Uma afirmação que combina com a de  Lucas Vinicius , 12 anos, “o pessoal procura mesmo novidade, no mundo de hoje não dá pra ficar só em uma coisa”. Os objetivos do site são vários: fazer amizades, conhecer pessoas bacanas, ter mais contato com as celebridades (ou virar uma, talvez?), se divulgar e espalhar suas ideologias: “não muito… só quando estou inspirada. Na maioria...

Tática infalível

Sabe aquela vozinha que fica falando toda hora em nossos ouvidos? Às vezes não parece uma pessoa? Não dá vontade de conversar com ela? Pois bem, eu seria essa vozinha se eu fosse invisível! Eu não vou mentir: usaria isso como estratégia pessoal. Chegaria bem perto de cada pessoa do meu interesse e sussurraria: “sou seu inconsciente! Faça isso que é melhor pra você!” E depois assopraria em seu ouvido, repetiria a mesma frase e acompanharia a pessoa até convencê-la. Para o menino dos meus sonhos, diria “ela é tão bonita, porque não tenta conhecê-la? Ela é muito legal e inteligente, vocês têm muito em comum… ” Para meus professores, principalmente para o de química, diria: “Ela foi uma boa aluna o ano inteiro, não precisa reprová-la só porque não sabe a tabela periódica decorada!” Para meus pais, com certeza não pensaria duas vezes “sua filha é tão boazinha, nunca fez nada errado, porque não deixá-la chegar um pouco mais tarde nos finais de semana?” Se der tempo… faço alguma coisa pela paz mundial, mas acho que isso ninguém vai poder resolver só de estar invisível. E vocês? O que fariam se fossem invisíveis por...

Quanta angústia!

Eu realmente estou tentando. Tentando muito! Tentando não deixar que a tristeza e a baixa auto-estima tomem conta de mim. Não tenho certeza se auto-estima é algo conquistável, talvez seja coisa de momento… Às vezes acordamos com o pé esquerdo e tudo está ruim: cabelo, rosto, gordurinhas localizadas… Pra mim, sempre parece uma bola de neve: eu não me amo, não me amam, eu me amo menos, as pessoas me amam menos. Ok, vamos manter a palavra “amar”, mas com o sentido de “desejar”, porque é nesse sentido (desejar), mas quero usar essa palavra (amar). É muito difícil me sentir bem comigo mesma, quando eu me sinto tento aproveitar, mas sempre estou procurando o motivo de, quando não estou, não estar bem comigo mesma e não gosto da ideia de que só consigo ficar bem se alguém disser isso pra mim. No desespero corro pra algumas pessoas procurando ajuda. Tudo que escuto levo muito em consideração, mesmo tento coisa que não consigo entender (não que eu não queira)… Não entendo a minha mãe, por exemplo, que sempre me diz que talvez o que falta em mim é uma “religiosidade”. Se religiosidade é cultural e não fisiológica, como pode me fazer tão mal fisicamente? Eu sei que a alma também precisa ser alimentada, mas eu alimento ela como eu posso, muito bem, obrigada. Se meu problema é auto-estima mesmo e se isso se resolve com um elogio alheio, vocês acham mesmo que tenho que colocar Deus nisso e dizer que isso é obra Dele? Acho que minha angustia toda se resume a não me amar suficientemente pra viver feliz só...

Roller Coaster

(No filme, não poderei olhar pras câmeras!) Minha vida tinha que ser filmada em uma montanha russa. Por que minha vida é uma dessas bem grandonas e infinitas. Seria um filme direcionado para o público infantil, mas na hora que fôssemos assistir, perceberíamos que tem um história muito sensível e tocaria o coração de todos. Como todos os filmes infantis ele passaria uma mensagem e entreteria. A minha vida é cheia de gargalhadas e lágrimas. Talvez todas sejam, mas da mesma maneira que nem sempre me vêem chorar, não vejo o sofrimento dos outros, então não sei. Uma hora estou rindo e falando pelos cotovelos, na outra estou desabando e formando um laguinho com meu choro. Minha vida faria o maior sucesso nos cinemas porque o público gosta de filmes de comédias sensíveis. Os últimos filmes que vi assim foi Up! Altas Aventuras (infantil, Disney) e Divã (com a Lília...

Fora-Online

Quando eu estava na sétima série, estava ficando com um menino da oitava. Antes de ficarmos juntos, nós éramos muito amigos. A gente conversava sobre tudo só que ele sempre tinha uma segunda intenção. Pegava na minha mão, tentava me beijar, mas continuávamos amigos. Até um dia que eu cedi: fiquei com ele. Eu não gostava muito dele como namorado, mas eu sempre dei chance pra todos os pretendentes que queriam me fazer feliz, portanto não achava ruim a gente estar junto, ele era super legal! Ficamos umas duas semanas, mas só quando nos encontrávamos na escola, não era nada sério. Um dia estávamos conversando no lendário ICQ e ele me perguntou: “Gabi, você realmente gosta de mim ou está ficando comigo por ficar?”. Tchanchanchanchaaaan! Eu pensei “Poxa, legal, acho que ele vai me pedir em namoro”, nem pensei que essa pergunta não era de ser feita pela internet, então disse que estava envolvida, sim, com ele, pra ver se deixava mais romântico o pedido de namoro. Foi aí que ele disse: “então, eu não queria te magoar, mas eu estou a fim de outra pessoa e a gente vai ter que terminar”. Ele me deixou com uma esperança danada. Eu tinha quase certeza que ia rolar um namorico ali. Eu já estava até emocionada, mesmo achando que ele não era meu príncipe encantado, não foi justo ter me deixado esperançosa e depois me deixar offline da vida dele, via internet! E vocês? Qual o fora mais tosco que já...

Cultura jovem brasileira

Essa semana estreiou o trailer de um filme da Disney com produção brasileira. Isso me fez pensar. Tá parecendo que vai ser a mesma história do filme americano, mas em versão verde-amarel: trocarão basketball por futebol. Será que vai ser só isso que vai mudar? E eu tenho minhas dúvidas no objetivo de fazer uma produção brasileira. Será que vai mostrar nossa cultura? E não estou falando do nome do time chamar ‘Lobos Guará’! Eu espero que coloquem muito Brasil nessas produções, afinal, a cultura americana não é melhor que a nossa e se for pra deixar os costumes de lá, uma pergunta: Porque esse trabalho? Os filmes e séries americanas mostram que a forma de se relacionar amorosamente é diferente da forma daqui. Em outros países as pessoas parecem só beijar quando estão emocionalmente envolvidos e parece ser um grande evento. Já aqui no Brasil está bastante banalizado, pode ser que não seja todo mundo que faça isso (o que é bom), mas por aqui parece que beijar na boca, quando você não é BV, não é lá grande coisa! Eu sei que no Brasil existe tanto preconceito, influência de amigos e da família quanto nos outros lugares do mundo, mas me parece que nós nos preocupamos menos com o que os outros pensam, aparência e nos divertimos bem mais! Não é muito legal isso? A gente é diferente, nosso jeito de se divertir também. Nunca vi numa novela ou seriado para crianças e adolescentes uma Festa do Farol (verde: pode chegar beijando; amarelo: vou pensar antes de aceitar; vermelho: nem precisa chegar porque não vai rolar). Vocês...
Página 3 de 612345...Última »

Gabriela Pagliuca

aka/vulgo Gabitopia

Sou artista e facilito processo de autoconsciência. Alimento o Gabitopia, esse blog, há mais de 11 anos. Estudei e sigo estudando comunicação, facilitação de grupos e técnicas de cura a partir de manipulação de energia (holística).

Meu blog é onde está quase todo meu trabalho como escritora, para saber mais clique aqui. Para saber mais do meu trabalho como facilitadora de processos de autoconhecimento, acesse aqui.

Meu propósito é amar, dar amor e estar em paz. Aqui é meu lar virtual, uma ferramenta para eu cumprir meu papel!

Gosta do Gabitopia?

Faça uma Contribuição Voluntária

Para apoiar o Gabitopia e meu trabalho de forma geral, você pode contribuir no botão abaixo, com o valor que quiser. Se quiser fazer uma contribuição voluntária ou parceria recorrente (mensal, semestral, etc), entre em contato no gabitopia@gmail.com que podemos conversar melhor.

Agradeço muito a todos que já me apoiam, pois sem esse apoio não conseguiria!

Envie uma mensagem preenchendo o formulário:

gabitopia@gmail.com

w

(13) 981310537

whatsapp